Portugal não compreende expulsão do embaixador espanhol da Venezuela

"Não compreendemos os fundamentos da decisão porque é muito importante preservar os canais diplomáticos", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, disse hoje "não compreender os fundamentos da decisão inamistosa" que a Venezuela tomou relativamente a Espanha, ao decidir expulsar de Caracas o embaixador espanhol.

"Vejo com muita preocupação, a União Europeia já emitiu uma declaração, concertada entre todos, incluindo Portugal, que é muito clara ao condenar a atitude inamistosa das autoridades venezuelanas", disse Santos Silva à Lusa, à margem de um Fórum Empresarial entre Portugal e o Vietname, que decorre esta tarde em Lisboa.

"Não compreendemos os fundamentos da decisão porque é muito importante preservar os canais diplomáticos, devem ser os últimos a ser abandonados porque permitem a comunicação e a troca de informações mesmo quando há diferendos que nos separam", vincou o ministro.

Para o chefe da diplomacia portuguesa, é preciso "insistir na necessidade de continuar a desenvolver diálogo político na Venezuela porque só há uma solução para superar as dificuldades económicas e sociais, que é superar o atual impasse político".

Isso significa, acrescentou, "que todas as instituições sejam respeitadas nas suas competências e por haver eleições organizadas com tempo e regras de organização e supervisão em que todas as partes se reconheçam".

Questionado sobre a realização das eleições presidenciais até ao próximo dia 30 de abril, uma iniciativa que mereceu a crítica dos ministros dos Negócios Estrangeiros da América Latina, o chamado 'Grupo de Lima', Santos Silva mostrou-se crítico.

"É uma decisão precipitada, marcada por uma instituição que não reconhecemos, a Assembleia Constituinte, e pensamos que a fixação do 'timing' e das regras de organização e de supervisão da próxima eleição deveria ser objetivo de diálogo e acordo político entre as partes", destacou.

O Governo espanhol decidiu hoje declarar 'persona non grata' o embaixador da Venezuela em Madrid, em "estrita aplicação do principio de reciprocidade, depois de o regime de Nicolás Maduro ter feito o mesmo com o embaixador espanhol.

Madrid "lamenta a decisão" adotada na quinta-feira pela Venezuela de expulsar o embaixador de Espanha nesse país, mas "perante medidas desta dimensão" teve de responder "de forma proporcional", disse o ministro porta-voz do executivo, Íñigo Méndez de Vigo, em conferência de imprensa.

Segundo este responsável, a Espanha deseja manter com a Venezuela "relações de respeito, amizade e cooperação", mas as decisões adotadas pelo Governo de Nicolás Maduro "tornam difícil que isso se verifique".

As autoridades de Caracas declararam na quinta-feira 'persona non grata' o embaixador espanhol em Caracas, referindo que o seu país cometeu "agressões contínuas" contra o Governo do Presidente venezuelano, Nicolas Maduro.

"A Venezuela informa a comunidade internacional de que decidiu declarar 'persona non grata' o embaixador do Reino da Espanha na Venezuela (...) em virtude da contínua agressão e repetidos atos de interferência nos assuntos internos do nosso país", segundo uma declaração do Ministério dos Negócios Estrangeiros venezuelano.

Na quarta-feira, o Governo venezuelano havia chamado o seu embaixador em Madrid, após as sanções adotadas pela União Europeia contra sete altos funcionários venezuelanos, nomeadamente o congelamento de ativos e a proibição de vistos para a UE.

Caracas acusa o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, de ser um dos principais responsáveis por essas medidas.

As relações entre Espanha e Venezuela estão tensas desde a eleição do Presidente Hugo Chávez (1999-2013), que morreu em 2013, tendo subido ao poder posteriormente o seu afilhado político Nicolás Maduro.

Em dezembro, a Venezuela teve a mesma atitude em relação aos embaixadores do Brasil e Canadá, que posteriormente tomaram medidas idênticas em relação os embaixadores venezuelanos nos seus respetivos países.

A União Europeia já condenou, hoje, "firmemente" a decisão das autoridades venezuelanas de declarar 'persona non grata' o embaixador espanhol e instou Caracas a revertê-la, para manter os canais diplomáticos abertos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.