Mais 44 novos hotéis desde 2017, a maioria está em Lisboa

A grande parte das novas unidades hoteleiras encontram-se nas regiões de Lisboa, Porto, Norte e Centro do país

Quarenta e quatro hotéis abriram no ano passado em Portugal, mais de metade dos quais de quatro estrelas e a maior parte situados na região de Lisboa, informou hoje a consultora imobiliária Worx.

"Em 2017, a Worx contabilizou 44 novas aberturas de unidades hoteleiras espalhadas por todo o território nacional", refere a consultora em comunicado.

No que toca à localização, a Worx aponta que as regiões de Lisboa, Porto e Norte, Centro concentram 62% do número total de aberturas. Precisando que foi na zona da capital portuguesa que se verificou a maior fatia da nova oferta hoteleira.

Assim, 24% dos novos hotéis abriram em Lisboa, 22% no Porto e Norte e 16% no Centro.

Seguem-se as regiões do Alentejo e Algarve (ambas com 9%), da Península Ibérica (5%) e dos Açores (4%), entre outras (11%).

Quanto à categoria, 56% destes novos estabelecimentos são de quatro estrelas. A percentagem desce para 23% quando se fala em hotéis de cinco estrelas e para 18% em unidades de três estrelas.

Apenas 3% dos novos espaços são de duas estrelas.

Para este ano, "prevê-se uma abertura de mais de 50 hotéis em território nacional, maioritariamente localizadas na região de Lisboa (47%) e na região Norte (21%)", adianta a Worx.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.