Portugal cai 18 posições em 'ranking' internacional

Portugal caiu 18 posições no "ranking" do Fórum Económico Mundial sobre igualdade de género, em seis anos, e está agora em 51.º lugar, numa lista de 136 países, uma quebra que a organização atribui à atual crise económica.

No relatório, disponível no site do Fórum Económico Mundial, Portugal aparece em 51.º lugar no índice geral, em 66.ª posição ao nível da participação das mulheres na economia, em 56.º lugar no "ranking" da educação, em 83.º, em matéria de saúde, e em 46.º, ao nível do poder político.

O 51.º lugar em 2013 representa uma queda de quatro lugares comparativamente a 2012, mas olhando ao primeiro ano de elaboração deste "ranking", em 2006, a queda é já de 18 lugares.

Analisando ano a ano, depois de ter começado na 33.ª posição, Portugal caiu para 37.º, em 2007, depois para 39.º, em 2008, continuou a cair em 2009, passando para o 46.º lugar. Melhorou em 2010, quando foi classificado na 32.ª posição, mas no ano seguinte perdeu três posições e chegaou a 2012, em 47.º lugar.

Na opinião do Fórum Económico Mundial, a perda de quatro lugares entre 2012 e 2013 "pode ser atribuída à queda nos valores estimados para os rendimentos".

Na análise mais pormenorizada do país, o Fórum Económico Mundial indica que, em matéria de educação, a percentagem de professoras ao nível do ensino básico é de 80%, valor que desce para 69%, quando se trata do ensino secundário, e para 44%, quando se trata do universo de professores no ensino universitário.

Ao nível do emprego, o relatório mostra que a taxa de desemprego das mulheres adultas é de 13%, enquanto nos homens é de 12%. Já a percentagem de mulheres em empregos parciais é de 14%, enquanto nos homens é de 9%.

Na lista dos 136 países, a Islândia aparece em primeiro lugar, logo seguida da Finlândia e da Noruega. Aliás, o grupo dos 10 países mais bem classificados é quase preenchido por países europeus, à exceção das Filipinas (5.º), Nova Zelândia (7.º) e Nicarágua (10.º).

Já em último lugar está o Iémen, imediatamente precedido pelo Paquistão, o Chade, a Síria e a Mauritânia.

Em declarações à agência Lusa, a presidente do departamento nacional de mulheres socialistas, Isabel Coutinho, defendeu que os dados do relatório representam "um retrocesso absoluto".

"Não há dúvidas nenhumas de que isto é o reflexo da situação económica e social que nós vivemos no país e que é extremamente preocupante", considerou Isabel Coutinho.

Na opinião da responsável, a recente posição de Portugal é explicada pela atual situação económica, mas também pela "evidente falta de investimento e de interesse deste Governo nesta matéria".

Deu como exemplo, a medida do Governo de conciliar a vida laboral e familiar, ao mesmo tempo que os horários de trabalho ou até mesmo a atual taxa de desemprego não são amigos desta conciliação.

Isabel Coutinho admitiu que não há soluções milagrosas, mas defendeu que é preciso parar para pensar, sustentando que se trata quase de uma questão de sobrevivência da sociedade, e que esta é uma questão que tem de ser pensada em conjunto com empresas, serviços públicos, instituições, escolas.

A Lusa contactou o gabinete da secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, mas, até ao momento, ainda não foi possível obter um comentário de Teresa Morais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.