Porto vai ter dois novos parques de estacionamento

Um será em Salgueiros e o outro no eixo Sete Bicas/Ramalde. Parques servirão de apoio à rede do Metro do Porto

O Porto terá dois novos parques de estacionamento (Park & Ride) para apoio à rede do Metro do Porto na zona de Salgueiros e no eixo Sete Bicas/Ramalde, anunciou esta quarta-feira a vereadora da Mobilidade da Câmara do Porto.

O anúncio foi feto esta manhã por Cristina Pimentel, em reunião pública da Câmara, em resposta ao vereador da CDU, Pedro Carvalho, que levou ao executivo uma proposta de recomendação para a construção de mais parques de estacionamento nos extremos da cidade, de modo a incentivar a utilização de transportes públicos no perímetro urbano e evitar congestionamentos na zona central, que acabou por retirar.

A CDU pedia que fossem realizados estudos sobre a necessidade e localização de parques dissuasores e a vereadora frisou que esse trabalho "está feito" e prevê 643 mil euros para dois parques de apoio à rede do Metro do Porto.

"Um deles é em Salgueiros", já com terreno, e outro no eixo Sete Bicas (Matosinhos)/Ramalde (Porto), disse, acrescentando que, para a Câmara, "não parece viável que o Porto ofereça mais estacionamento neste regime" 'Park & Ride', que permite estacionar o carro nos centros urbanos a um custo reduzido.
Cristina Pimentel referiu que estes dois parques estão previstos no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) e do Plano de Ação para a Mobilidade Urbana Sustentável (PAMUS).
A vereadora da Mobilidade lembrou ainda que ao longo da rede do Metro do Porto existem 32 parques de estacionamento, sendo que o do Dragão (Porto) dispõe de 840 lugares e tem um custo de 95 cêntimos por 12 horas.

Também o projeto para o Terminal Intermodal de Campanhã prevê um parque de estacionamento, com mais de 260 lugares, acrescentou, bem como, "em sede de PEDU, é proposto um interface no Hospital de S. João com parque".

"Tendo em conta a informação revelada", Pedro Carvalho retirou a sua proposta de recomendação.
Quanto ao modelo de gestão destes dois futuros parques de estacionamento, Cristina Pimentel afirmou não estar ainda definido, mas que poderá ser municipal ou integrado com a Metro do Porto.

O presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, aproveitou a ocasião para afirmar que a colaboração com os municípios vizinhos "tem sido excelente" e que "a Área Metropolitana do Porto serve para articular estas políticas, sendo o PAMUS um bom exemplo disso".

O autarca mostrou ainda preocupação com o facto de muitos atravessamentos rodoviários feitos no Porto, em Vila Nova de Gaia e em Matosinhos serem feitos "por veículos que utilizam radiais e não vias periféricas para fugir a portagens", o que faz com que "a Via de Cintura Interna seja a entrada com mais trânsito do país".

"É um assunto que estamos a tratar com a Infraestruturas de Portugal", disse, acrescentando que, "portajar" mais estradas ou "desportajar outras" poderá ser a solução para assim diminuir a pressão naquelas vias e reduzir as emissões de CO2.

Nesta reunião, foi aprovada por unanimidade a proposta que prevê a mexida nos preços dos parques de estacionamento municipais, que vai agora para discussão pública.
A proposta, que prevê isenção para motociclos, ciclomotores e bicicletas, descontos para veículos elétricos, preços mais baixos para moradores e comerciantes, disse Rui Moreira, insere-se na estratégia de querer que "o estacionamento na rua seja de alta rotação".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.