Porto e Gaia avaliam construção de nova ponte a montante da Luiz I

A possibilidade de construir uma nova travessia rodoviária permitiria deixar o tabuleiro inferior da ponte Luiz I "unicamente para peões e ciclovia"

As câmaras do Porto e Vila Nova de Gaia estão a "avaliar a possibilidade de construir uma nova ponte" sobre o Douro, apontando como "localização mais provável" a zona a montante da ponte Luiz I, revelou a autarquia portuense.

No seu portal de notícias, a Câmara do Porto escreve hoje que, "caso avance a ideia da construção de uma nova ponte que una Porto e Gaia, a localização mais provável será a montante da ponte Luiz I", segundo "informou Rui Moreira [presidente da autarquia portuense] na sessão da Assembleia Municipal (AM) que decorreu na segunda-feira à noite" e que terminou já na madrugada de hoje.

De acordo com a Câmara, Moreira explicou que a possibilidade de construir esta nova travessia, rodoviária, permitiria deixar o tabuleiro inferior da ponte Luiz I "unicamente para peões e ciclovia", já que o alargamento da zona pedonal desta travessia, equacionada pelo menos desde 2015, levantou "fortíssimas dúvidas" às "autoridades competentes do património".

"Antes dessa possibilidade, o 'pensamento estratégico' comum partia do alargamento pedonal do tabuleiro inferior da ponte Luiz I. Contudo, as autoridades competentes do património levantaram fortíssimas dúvidas a esta pretensão", afirmou o autarca.

Admitindo que o alargamento dos passeios da ponte Luiz I seria "a solução mais simples, em termos do impacto que tem numa paisagem protegida", Moreira sublinhou ser necessário "entender" as questões suscitadas pelas autoridades do património, acrescenta o portal.

Neste contexto, o presidente da Câmara do Porto diz existirem "duas soluções alternativas" que envolvem "a edificação de uma nova travessia".

O independente, que está a cumprir o segundo mandato autárquico, afirmou que "a construção de uma ponte rodoviária a montante da ponte Luiz I parece a mais razoável para os autarcas do Porto e de Gaia".

"Assim, de acordo com o que tem vindo a ser equacionado, talvez essa nova ponte seja só rodoviária e o tabuleiro inferior da ponte Luís I fique unicamente para peões e ciclovia", concluiu Rui Moreira.

De acordo com o portal, outra solução seria "a construção de uma ponte pedonal a jusante da zona da igreja de São Francisco" mas, na opinião de Rui Moreira, tal cria "variadíssimos problemas", "devido ao tráfego das embarcações e ao forte impacto ambiental que provocaria".

"Adicionalmente, não estaria isenta de "problemas de encaixe na margem, não sendo aconselhado o seu enviesamento", acrescentou.

Desde 2015 que as autarquias do Porto e Gaia equacionam instalar, no tabuleiro inferior da ponte Luiz I, passeios exteriores para peões e ciclistas, bem como uma estrutura de proteção contra queda de pessoas e objetos junto ao tabuleiro superior da ponte, parte integrante do Centro Histórico do Porto, classificado em 1996 como Património Mundial pela UNESCO.

Em fevereiro de 2016, a Infraestruturas de Portugal publicou em Diário da República o lançamento do procedimento pré-contratual para a contratação da empreitada de recuperação do tabuleiro inferior da ponte Luiz I por 1,4 milhões de euros.

Posteriormente, em maio, o Ministério da Cultura disse estar a acompanhar "com atenção" este processo, aguardando as conclusões do Conselho Nacional de Cultura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.