População de Pedras Salgadas corta EN2 em manifestação contra fecho da CGD

Encerramento da agência levou à retirada da única caixa de multibanco da vila. Clientes terão de se deslocar cerca de seis quilómetros até Vila Pouca de Aguiar

Centenas de pessoas manifestaram-se esta sexta-feira em Pedras Salgadas, Vila Pouca de Aguiar, contra o fecho do único balcão local da Caixa Geral de Depósitos (CGD), cortando a EN2 com um monte de pedras.

As pedras impediram totalmente a circulação automóvel, tendo no topo uma bandeira espanhola. À volta, os manifestantes rasgavam cadernetas do banco.

O monte de granito foi colocado às 09:00 e permanecia no local pelas 11:30, embora a manifestação terminasse cerca das 11:00.

No âmbito do plano de reestruturação da CGD, o balcão de Pedras Salgadas, que deveria encerrar esta sexta-feira, fechou na quinta-feira, tendo os clientes de se deslocar seis quilómetros até à sede do concelho, em Vila Pouca de Aguiar, no distrito de Vila Real.

Com este fecho, os clientes ficam ainda sem a única caixa de multibanco.

A manifestação teve como palavras de ordem "Lisboa roubou Pedras Salgadas", "Se a Caixa sair das Pedras, as Pedras e arredores também sairão da Caixa", "Isto é uma vergonha" ou "Levem tudo".

Exaltados com esta perda de serviços, os populares, na sua grande maioria idosos, reclamavam a falta de atenção do Governo de António Costa para com o Interior, sublinhando que as políticas para o interior não "passam do papel".

"Senhor primeiro-ministro, não nos atire areia para os olhos, a culpa é sua" lia-se num cartaz colocado num poste de eletricidade, enquanto Isaura Magalhães, de 82 anos, contava à Lusa que a revolta era "muito grande".

Falando numa reforma de 200 euros, a manifestante questiona como é que vai pagar as deslocações até Vila Pouca de Aguiar.

Henrique Alves, que lamentava esta situação, disse que o Governo "tira tudo" a Pedras Salgadas, desde os CTT, GNR e CGD.

"Não pudemos aceitar uma coisa destas, não podemos", frisava.

Já Fernando Teixeira, que envergava uma bandeira do país vizinho, explicava que, com estas políticas, "mais vale" ser espanhol porque lá "vive-se melhor".

"Isto é um escândalo. Não tem respeito nenhum pelo Interior, mas nós também somos portugueses e pagamos impostos", sustentou.

Indignado, o presidente da Junta de Freguesia de Bornes de Aguiar, Rogério Martins, garantiu que a luta ainda não terminou, dado o município ter avançado com uma providência cautelar.

"Acreditamos que seja feita justiça pelos tribunais, não pelos governantes", salientou.

Lembrando a importância de Pedras Salgadas como motor económico da região, dado ser uma vila termal, Rogério Martins vincou que o interior está a ficar um território diminuído, não se revendo "neste Portugal".

Alinhando na contestação, o presidente da Câmara de Vila Pouca de Aguiar, o social-democrata Alberto Machado, sustentou que pediu à administração da Caixa "o prolongamento do prazo, pelo menos, até 31 de agosto", mas que a proposta foi "claramente, recusada e posta de lado".

"Não há qualquer racionalidade no encerramento de uma agência que dá lucro no interior norte do país. Queremos saber, ninguém nos conseguiu explicar, o que é que a Caixa vai ganhar", ressalvou.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.