Ponte pedonal do Museu dos Coches deverá estar concluída no final do 1.º semestre

A nova ponte pedonal junto ao Museu dos Coches, em Belém, que fará a ligação à zona ribeirinha, deverá estar concluída até ao final do primeiro semestre deste ano, disse à agência Lusa fonte do museu.

Contactada pela agência Lusa, a diretora do Museu Nacional dos Coches, Silvana Bessone, indicou este como o prazo provável para a conclusão da obra que faz parte do projeto criado pelo arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha, Prémio Pritzker 2006.

A ponte possibilitará a passagem sobre a avenida da Índia e a via férrea, para a zona ribeirinha do Tejo, em Belém.

A antiga ponte, que continua a ser usada para fazer aquela ligação, em Belém, tinha sido encerrada no dia 05 de outubro de 2016 por razões de segurança, quando milhares de pessoas acorriam à inauguração do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), da Fundação EDP, junto ao Tejo.

A ponte foi reaberta alguns dias depois de um parecer do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) atestar a segurança da estrutura.

O projeto do MAAT também inclui uma nova ponte pedonal, cuja abertura estava prevista para o final do ano passado, mas que "deverá estar concluída nas próximas semanas", segundo disse à Lusa fonte da comunicação da Fundação EDP.

Esta estrutura parte do largo Marquês de Angeja, em Belém, entre a rua da Junqueira, a travessa da Pimenteira e a rua do Cais da Alfândega Velha, fazendo a ligação à cobertura do MAAT, à beira rio.

A concretizarem-se os trabalhos dos dois projetos, este ano Belém terá duas novas passagens pedonais para a margem Tejo.

Localizado na praça Afonso de Albuquerque, o Museu Nacional dos Coches - que recebeu 350.254 visitantes no ano passado - reúne uma coleção única no mundo de viaturas de gala e de passeio do século XVII ao século XIX, na sua maioria provenientes dos bens da coroa ou propriedade particular da Casa Real portuguesa.

O projeto foi financiado com a execução das contrapartidas do Casino Lisboa, num investimento total de 40 milhões de euros.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.