Ponte 25 de Abril é a "mais segura" do país

Dois relatórios do Instituto de Soldadura e Qualidade e do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) indicarem a necessidade de realização de obras a curto prazo

O presidente das Infraestruturas de Portugal (IP), António Laranjo, garantiu hoje no Parlamento que a Ponte 25 de Abril é "a mais segura das 7.200 do sistema de gestão de obras de arte", sendo monitorizada diariamente por ser a mais utilizada.

António Laranjo foi hoje ouvido na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, por requerimento oral do PS, sobre um estudo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) relativo ao estado de conservação da Ponte 25 de Abril (entre Lisboa e Almada, no distrito de Setúbal) e que aponta a necessidade de intervenções na infraestrutura.

"A Ponte 25 de Abril é a obra de arte mais segura da rede. É utilizada por cerca de 100 milhões de passageiros, ou seja, cerca de 10 vezes a população de Portugal. Aquela que mais intervenções sofreu nos últimos anos, não só no alargamento que sofreu entre 1995 e 1999, mas também para o caminho de ferro", disse António Laranjo.

O presidente da IP enumerou aos deputados os concursos e empreitadas que fazem parte das obras já orçadas, acrescentando que 10 empresas demonstraram interesse relativamente ao contrato da empreitada principal, cujo concurso é internacional e no valor de 18 milhões de euros.

António Laranjo explicou ainda na comissão que a "obra tem de ser feita", mas lembrou que para a IP "no calendário dos trabalhos não se trata de uma obra emergente, nem urgente, mas sim uma obra de prioridade".

"Se fosse emergente era de imediato, o que não é o caso. Se fosse urgente não teria passado este tempo", justificou, sublinhando que a monotorização que é feita dá "garantia de que [a ponte] está em condições", pelo que não foi necessário fazer obra "com outro tipo de restrições de trânsito".

Os deputados afirmaram, durante a audição, ao presidente da IP não quererem contribuir para o alarmismo sobre o estado de conservação da Ponte 25 de abril, depois de dois relatórios do Instituto de Soldadura e Qualidade e do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) indicarem a necessidade de realização de obras a curto prazo.

O presidente do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), aquando da sua audição na comissão de Economia, assegurou que a Ponte 25 de Abril não está em risco de colapso, mas salientou que, se as obras não decorrerem brevemente, o tráfego ferroviário terá de ser reduzido.

"A palavra 'colapso' é utilizada em termos de engenharia em vários contextos. Na Ponte 25 de Abril já se verificou o colapso nas zonas que têm as fissuras. Pontualmente, nas zonas onde tem fissuras já entrou em colapso. Aquilo que é referenciado neste relatório é que, além da situação pontual, pode ocorrer o colapso de algum elemento estrutural: um conjunto de pontos, uma chapa de aço que está colocada em cima de uma viga. É esse o colapso que está referenciado naquele parágrafo, onde é utilizada esta palavra", explicou, na altura.

António Laranjo confirmou hoje que "em linguagem técnica o colapso não tem nada a ver com grave, tem a ver com as fissuras".

"A IP sustenta em todos os relatórios produzidos que assinalam que há uma evolução deste fenómeno de fissuração que aparece com algum significado após 2010/2011", disse, embora relembre que o problema tem vindo sempre a ser acompanhado pelos diferentes organismos envolvidos, seja a IP, seja o LNEC.

As obras vão ser realizadas, de acordo com António Laranjo, devido às fissuras detetadas na estrutura da ponte, a primeira vez em 2006, além do impacto causado pela entrada em funcionamento do comboio em 1999.

A Ponte 25 de abril vai ser alvo durante dois anos de trabalhos de manutenção, orçados em 18 milhões de euros, obras essas que vão obrigar a cortes de trânsito em maio e outubro de 2019, segundo o presidente das IP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.