Poluição dos rios diminuiu mas qualidade da água é inferior à desejada

Embora os casos mais recentes e mediáticos de poluição estejam associados ao rio Tejo, existem "pontos negros pelo país fora, com problemas recorrentes"

O investigador Pedro Teiga, especialista em reabilitação de rios, afirma que o estado de poluição dos cursos de água em Portugal diminuiu na última década, mas a qualidade da água continua inferior à desejada.

"Neste momento, como foi verificado em vários estudos do Plano de Gestão de Região Hidrográfica, continuamos a ter bastantes rios com uma qualidade da água inferior à desejada nas normas da Diretiva Quadro da Água", indicou o engenheiro ambiental, em entrevista à Lusa, referindo-se ao instrumento da União Europeia que estabelece ações para proteção das águas.

Embora os casos mais recentes e mediáticos de poluição estejam associados ao rio Tejo, referiu, existem "pontos negros pelo país fora, com problemas recorrentes", provocados pelas indústrias, pelas estações de tratamento de águas residuais (ETAR), pelas explorações agrícolas e pelos aglomerados habitacionais.

"Quando os rios passam pelas cidades, vilas e aldeias ficam piores do que estavam antes, o que significa que os sistemas de saneamento também ainda não estão nos níveis aceitáveis", explicou o investigador do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), da Universidade do Porto.

No entanto, apesar "ainda não ser o suficiente", o especialista reconhece que os rios registaram melhorias significativas ao longo da última década, devido sobretudo aos investimentos nas ETAR e às exigências da população, que está mais informada e que quer utilizar os rios como espaços balneares.

"Se há mais de 10 anos encontrávamos rios quase completamente mortos, neste momento esses cenários só acontecem em situações limite, relacionados com descargas pontuais", notou, dando conta de uma melhoria progressiva.

No entanto, se hoje em dia é possível dizer que há água em boas condições e de excelente qualidade quando se abre a torneira, ainda não se pode dizer que os rios portugueses estejam no mesmo nível: "Muitas das mesmas ETAR e dos sistemas de tratamento não conseguem dar essa garantia", salientou o investigador.

Além da poluição proveniente da utilização doméstica e industrial, o especialista destacou o papel das práticas agrícolas intensivas - como as pecuárias - em zonas "já conhecidas", como o rio Liz e a ribeira dos Milagres, em Leiria.

De acordo com Pedro Teiga, as zonas mais problemáticas nesta matéria localizam-se na Grande Lisboa e no Grande Porto, locais onde as linhas de água e as ribeiras se encontram "em pior estado", devido ao facto de estarem entubados ou à ineficácia dos sistemas de saneamento.

"São poucas as grandes cidades que não têm problemas de saneamento" e "poucos os sistemas que eu conheço que, em 365 dias do ano, estejam a funcionar corretamente, de dia e de noite", indicou.

As zonas menos críticas, continuou o especialista, são aquelas que ainda não sofreram grandes impactos e nas quais as pressões nas margens dos rios e nas utilizações são menores, como é o caso do Gerês, do Alvão-Marão, da serra da Estrela e dos sistemas montanhosos da Lousã.

"O meu desejo é que todos os rios em Portugal atinjam um nível de qualidade que garanta que qualquer criança, político ou pessoa que viva na sua envolvente - seja aldeia ou cidade - se possa aproximar, molhar os pés e, se mandar um mergulho e beber um pirulito, possa ter a segurança de que não vai parar ao hospital por estar doente", afirmou Pedro Teigo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.