Politécnicos querem ser universidades de ciências aplicadas e criar doutores

Conselhos gerais discutem hoje contributo dos politécnicos para o desenvolvimento do país. Marcelo abre a sessão

Os conselhos gerais dos politécnicos querem que estas instituições possam dar grau de doutoramento e que sejam designadas de universidades de ciências aplicadas. A posição conjunta tomada por este órgão vai ser um dos temas do seminário marcado para hoje para assinalar os 40 anos da Constituição, cuja abertura está a cargo do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

No encontro vai ser debatido o contributo dos politécnicos para o desenvolvimento do país. Contributo esse que os presidentes dos conselhos gerais - que não têm poder executivo mas trabalham na orientação estratégica das instituições - consideram ser já mais do que suficiente para que possam conferir grau de doutor aos seus estudantes.

"Os conselhos gerais pretendem, acima de tudo, pôr a discussão na ordem do dia, questionar e debater qual a melhor solução para o país", adiantou ao DN Pedro Lourtie, presidente do conselho geral do Politécnico de Leiria. Segundo o também representante dos presidentes dos conselhos gerais dos politécnicos a diferenciação dos sistemas de ensino superior em Portugal faz-se, neste momento, "essencialmente pela possibilidade legal de concessão de doutoramentos e pelo acesso a determinados financiamentos, além da questão da designação, que internacionalmente não é entendida, e penaliza os politécnicos portugueses".

Ou seja, os politécnicos querem ter a designação internacional igual às das instituições europeias semelhantes: university of applied sciences (universidades de ciências aplicadas). "É importante para a internacionalização, para captar alunos internacionais e para a realização de parcerias entre instituições. Nos países com sistemas binários é assim que são designados e isso ajudava a clarificar", acrescentou Pedro Lourtie. A designação de universidade de ciências aplicadas é a designação usada pela Associação Europeia de Instituições de Ensino Superior e em países como a Alemanha ou a Suécia.

A questão dos doutoramentos é também "uma evolução natural que está a acontecer na Europa. Recentemente foi a Alemanha que evoluiu nesse sentido". Pedro Lourtie acredita que esta é uma penalização para os politécnicos, que deviam ter autorização para conceder grau de doutor, mediante a avaliação da agência de acreditação do ensino superior (A3ES). "O Politécnico de Leiria tem neste momento 84 pessoas a fazer doutoramento nas suas instalações, que depois é conferido por outras universidades portuguesas ou estrangeiras", o que segundo o professor mostra como as instituições politécnicas já estão preparadas para este passo.

E o facto de algumas instituições quererem focar-se nos cursos curtos e outras quererem conferir doutoramentos não é um problema, defende o representante dos conselhos gerais.

"Há politécnicos que têm uma grande prática dos cursos curtos, e outros que têm também uma grande capacidade de doutoramentos, Além disso, a Universidade de Aveiro é uma das instituições que mais cursos curtos [formações que não conferem grau superior] ofereceu, o que mostra que as duas coisas não são incompatíveis."

Os conselhos gerais divulgaram uma tomada de posição há um mês em que defendiam estas duas alterações ao subsistema politécnico. Vão agora aproveitar a conferência de hoje para voltar ao tema, uma vez que o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, começou por se mostrar recetivo a fazer esta discussão, mas posteriormente no Parlamento referiu que não o ia fazer nesta legislatura. "Para nós há razões para se fazer esta discussão, faz sentido e é possível fazer estas alterações", sublinha Pedro Lourtie.

Além destas duas reivindicações, alguns dos politécnicos mantêm a intenção de se tornarem universidades. "O Politécnico de Leiria tem essa passagem no plano estratégico. No entanto, a lei só prevê a passagem de universidades a politécnicos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.