Polícias entregam petição para reclamar subsídio de risco

A petição, com cerca de oito mil assinaturas, tem como objetivo pedir aos deputados da Assembleia da República que debatam o assunto e aprovem legislação

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) vai entregar hoje, na Assembleia da República, uma petição para exigir a atribuição do subsídio de risco aos polícias, reivindicado há mais de 25 anos.

"A profissão de polícia é de risco, por isso deviam ter a recompensação necessária", disse à agência Lusa o presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, considerando que "é justo" a atribuição deste subsídio aos profissionais da Polícia de Segurança Pública.

A petição, com cerca de oito mil assinaturas, tem como objetivo pedir aos deputados da Assembleia da República que debatam o assunto e aprovem legislação nesse sentido, adiantou o presidente do sindicato mais representativo da PSP.

Segundo Paulo Rodrigues, o subsídio de risco já foi atribuído "e bem" a outras polícias, como aos inspetores da PJ, mas os elementos da PSP têm "mais situações de agressões e morte em serviço".

O presidente da ASPP afirmou que esta questão já foi discutida com vários ministros da Administração Interna, mas até agora ainda não foi aprovada legislação sobre o subsídio de risco.

O subsídio de risco é reclamado pelas associações sindicais há mais de 25 anos.

Segundo a ASPP, cerca de 500 polícias ficam feridos em serviço todos os anos.

Em dezembro de 2016, a ASPP entregou também no parlamento uma petição com mais de 10 mil assinaturas em defesa de um novo quadro legal que previna riscos na saúde e segurança no trabalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.