Poder autárquico desfaz parceria PCP-BE. Imigração divide Passos e Costa

Catarina Martins mostrou-se convicta de que o Bloco reforçará o poder nos municípios e criticou os autarcas. O líder do PCP não gostou e falou de "ignorância". António Costa também não gostou de ouvir Passos criticar a nova lei da imigração.

Nunca morreram de amores um pelo outro, o PCP e o Bloco de Esquerda, mas lá se entenderam para que um governo PS chegasse ao poder. Mas o que a política a nível nacional uniu, a local separa. O secretário-geral do PCP foi ontem, em Tomar, muito agressivo para a líder bloquista, apelidando-a de ignorante, embora sem a mencionar expressamente, na defesa do trabalho dos autarcas comunistas.

E isto porque no dia anterior, na Marinha Grande, Catarina Martins manifestou-se "absolutamente chocada" com o "silêncio cúmplice" da generalidade das autarquias enquanto eram destruídos os serviços públicos. Ora era previsível que a reação comunista não tardaria, tanto mais que a CDU (PCP e "Verdes") detém o poder em 34 municípios e o BE em nenhum.

"Aos que por ignorância ou verbalismo atiram pedras para o ar, podemos assegurar que os eleitos da CDU nunca faltaram, em maioria ou minoria, à defesa dos interesses dos trabalhadores e das populações", afirmou Jerónimo de Sousa, num almoço-comício numa quinta dos arredores de Tomar, Santarém, no primeiro de 11 dias oficiais de campanha autárquica.

"Eles têm um pouco a síndrome da raposa, que vê um cacho de uvas, salta três vezes e não as apanha. Então, vira-se de costas, de forma desdenhosa, e diz: "Estão verdes, não prestam." É a mesma conceção que têm em relação às autarquias", disse, em nova referência ao BE e à sua escassa implantação no poder local, recorrendo à fábula da raposa e das uvas.

Na sua jornada de campanha, no Porto, Catarina Martins encontrou outra forma de causar alguma irritação ao PCP, ao mostrar-se "absolutamente convencida" de que nas eleições de 1 de outubro "o BE vai dar um salto" e ter "vereadores e presença decisiva". E disse acreditar numa necessária "mudança política" no poder local. Acabou mesmo por se mostrar esperançada em eleger um vereador no Porto, objetivo que o BE falhou em 2013. Tal como em Lisboa, quando o então cabeça--de-lista bloquista João Semedo - agora candidato à Assembleia Municipal do Porto - falhou a vereação por uma unha negra.

Os dois partidos parecem estar mais do que nunca a disputar o espaço político à esquerda nas autarquias, e em particular o BE procura nesta campanha demonstrar como pode fazer a diferença a partir da experiência das negociações com o governo socialista e os ganhos de causa nas políticas adotadas.

Com o líder do PS em Nova Iorque para participar na abertura da 72.ª sessão anual da Assembleia Geral das Nações Unidas, foi a secretária-geral adjunta do PS que foi para o terreno e fez uma incursão numa terra comunista, Beja, onde exultou o "referencial de estabilidade que é o PS.

Mas da Big Apple, António Costa respondia às críticas que Passos Coelho fez à nova lei de imigração e à possibilidade de pedir a alteração legislativa da mesma, depois de o DN ter noticiado que disparou o número de imigrantes a requerer ao SEF a autorização de residência em Portugal. Costa lamentou que a posição de Passos não corresponda "àquilo que tem sido o consenso político tradicional em matéria de imigração, que, felizmente, tem existido em Portugal". Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.