PJ investiga compra de autocarros "no tempo" de Vítor de Sousa

Vítor de Sousa e Cândida Serapicos, ex-administrador e ex-vogal dos Transportes de Braga, respetivamente, foram quinta-feira detidos por suspeita de corrupção

Os Transportes Urbanos de Braga (TUB) compraram 13 autocarros à MAN-Braga no período em que foram administrados por Vítor de Sousa, quinta-feira detido pela Polícia Judiciária por suspeita de corrupção naquele negócio.

Aquele número tinha sido divulgado, em comunicado, pelos próprios TUB em julho de 2012, aquando de notícias que apontavam que Vítor de Sousa e a vogal Cândida Serapicos estavam a ser investigados por suspeitas de recebimento de luvas na compra de autocarros à MAN-Braga.

Vítor de Sousa e Cândida Serapicos, ex-administrador e ex-vogal dos TUB, respetivamente, foram quinta-feira detidos pela Polícia Judiciária (PJ), por suspeita de corrupção, e serão hoje submetidos a primeiro interrogatório judicial.

Sousa foi vice-presidente da Câmara de Braga, quando esta era presidida por Mesquita Machado, e foi também o candidato socialista àquele município nas últimas autárquicas.

No comunicado de 2012, os TUB acrescentavam que, no total, teriam pago à MAN-Braga, dirigida por Menezes da Costa, 1.750.725 euros pela aquisição dos 13 autocarros.

O comunicado salientava que as aquisições foram realizadas "tendo sido sempre objeto de avaliação técnica" e "tendo em conta a proposta economicamente mais vantajosa para a TUB".

No período de administração de Vítor de Sousa, os TUB adquiriram também seis autocarros à Mercedes-Benz Portugal e 26 à MAN-Portugal.

No entanto, o que estará em causa na investigação da PJ será a aquisição das 13 viaturas à MAN-Braga.

As suspeitas surgiram em consequência da investigação da Policia Judiciária relacionada com o processo de insolvência da MAN-Braga, decretada em 2012.

Cinco detidos na "Operação TUB"

A investigação da Polícia Judiciária (PJ) de Braga no processo de alegada corrupção na compra de autocarros pelos Transportes Urbanos de Braga (TUB) resultou na detenção de cinco pessoas, informou hoje à Lusa fonte policial, um deles Vítor Sousa, ex-administrador dos TUB e ex-vice-presidente da Câmara de Braga.

Detida foi também Cândida Serapicos, que foi vogal da administração dos TUB e adjunta do ex-presidente da Câmara de Braga, o socialista Mesquita Machado.

Além destes, foram ainda detidos dois representantes da marca alemã MAN e um diretor dos TUB.

Os arguidos foram detidos na quinta-feira e serão hoje levados a tribunal, para primeiro interrogatório judicial e aplicação das respetivas medidas de coação.

A fonte da PJ disse à Lusa que os arguidos estão indiciados dos crimes de corrupção no comércio internacional e administração danosa. Em causa está o alegado pagamento de "luvas" aos administradores dos TUB por parte da MAN, na compra de autocarros.

Vítor de Sousa e Cândida Serapicos já refutaram as acusações, que classificaram de "calúnias", tendo ambos manifestado disponibilidade e "interesse" em prestar declarações ao Ministério Público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.