PJ faz buscas no Turismo no Porto, no V. Guimarães e no Sp. Braga

Presidente da instituição foi constituído arguido. SAD bracarense confirma a investigação e a existência de um contrato com o TPNP

A Polícia Judiciária está a fazer buscas na sede do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), no V. Guimarães e no Sp. Braga, tendo em conta suspeitas de corrupção e favorecimento relacionados com a violação de regras de concursos e adjudicações diretas de obras e patrocínios.

Segundo a RTP, Melchior Moreira, presidente do Turismo do Porto e do Norte de Portugal, foi constituído arguido. A informação foi inicialmente avançada pelo Correio da Manhã.

A SAD do Sporting de Braga confirmou as buscas que foram efetuadas para recolher informação sobre o contrato de patrocínio celebrado com a Turismo do Porto e Norte de Portugal.

Em causa alegados esquemas de corrupção nos patrocínios celebrados por aquela entidade, gerida por Melchior Moreira, e visará também a SAD do Vitória de Guimarães e empresas públicas, como câmaras municipais.

Perante o pedido da PJ, "o Sporting de Braga confirmou a existência de tal contrato, que aliás foi publicamente oficializado, partilhou a documentação existente e prestou à Polícia Judiciária a sua total colaboração", pode ler-se num comunicado no sítio oficial dos 'arsenalistas'.

"Tal como é público, o clube celebrou com a Turismo do Porto e Norte de Portugal um contrato de patrocínio com vista à promoção do país em Madrid, onde a equipa de futsal disputou, em novembro passado, a ronda de elite da UEFA Futsal Cup", tendo o Sporting de Braga recebido "em troca desta associação para presença da marca nas camisolas que o clube envergou na competição, o valor de 15 mil euros (IVA incluído) ".

O Sporting de Braga garante ainda que esta foi "a única relação contratual existente entre as duas entidades" e que "toda a informação sobre a mesma foi disponibilizada".

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...