PJ detém suspeito de fraude na legalização e venda de carros furtados

O detido vai ser presente a tribunal indiciado pelos crimes de burla qualificada e falsificação de documentos

A Diretoria do Norte da Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de um homem de 39 anos alegadamente responsável por um "esquema fraudulento" de legalização e venda, em Portugal, de veículos furtados no estrangeiro.

Em comunicado, a PJ refere que o detido está indiciado pelos crimes de burla qualificada e falsificação de documentos.

A PJ explica que a detenção ocorreu no âmbito de um inquérito pendente em que se investiga uma atividade criminosa de falsificação de documentos, legalização e venda de veículos furtados no estrangeiro.

"Os veículos, na sua maioria provenientes de empresas de rent-a-car estrangeiras, eram encaminhados para Portugal e alvo de legalização, através de documentos falsificados, passando a circular como se de viaturas legalmente importadas se tratassem", lê-se no comunicado,

No decurso da investigação, a PJ apreendeu oito viaturas, que se encontravam a circular em território nacional, legalizadas com recurso a esse expediente, e deteve, fora de flagrante delito, o responsável pelo "esquema fraudulento".

O detido, estrangeiro, vai ser presente a tribunal, para primeiro interrogatório judicial e aplicação das respetivas medidas de coação.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.