PJ apreende 4,5 toneladas de substância usada em drogas sintéticas

Trata-se de uma das maiores apreensões deste tipo de substâncias em Portugal

A Polícia Judiciária apreendeu nas últimas semanas 4,5 toneladas de BMK, substância utilizada na produção de drogas sintéticas, numa operação que constituiu uma das maiores apreensões de precursores efetuada em Portugal, anunciou hoje a PJ.

Em comunicado, a PJ adianta que a substância em causa chegou a Portugal por via aérea proveniente de um país asiático e caso não tivesse sido apreendida seguiria depois por via terrestre para outro país europeu.

Segundo aquela polícia, as 4,5 toneladas de BMK foram importadas por membros de um grupo organizado transnacional tendo em vista a produção "de elevadas quantidades de drogas sintéticas, designadamente de ecstasy".

A PJ realça que se trata de uma das maiores apreensões de precursores de drogas sintéticas efetuada em Portugal, estimando-se que o produto apreendido possibilitaria a produção de cerca de 30 milhões de comprimidos de ecstasy.

A apreensão desta substância foi feita em cooperação com as autoridades de vários países europeus, nomeadamente da Holanda e da Bélgica, e com a colaboração da Autoridade Tributária e Aduaneira, procedeu.

A PJ refere que as 4,5 toneladas da substância apreendida foram identificadas laboratorialmente como sendo BMK (Fenil1-porpanona2).

Em Portugal a investigação vai continuar a cargo da Polícia Judiciária, que conta com o apoio da Europol e das autoridades de outros países.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.