Pilotos: campanha de combate a incêndios deste ano está em risco por falta de pagamento

Pilotos que operam aeronaves de combate a incêndios denunciam falta de pagamento de 300 mil euros

Um grupo de pilotos alertou hoje que a campanha de combate a incêndios de 2017 está em risco, porque a Everjets ainda não regularizou os pagamentos de 2016, e estes profissionais avisam que não voam nestas condições.

O presidente do Conselho de Administração da empresa Everjets assumiu hoje à agência Lusa "estar em falta" o pagamento de 300 mil euros a cerca de 25 destes pilotos, contratados a recibos verdes, mas assegurou que "não está em risco" a campanha deste ano, que, segundo Ricardo Dias, terá os pilotos (35 pilotos e 25 helicópteros) e os meios aéreos para "cumprir integralmente as obrigações" assumidas no contrato de quatro anos firmado com o Estado, em 2103, após ter vencido o concurso público.

O porta-voz deste grupo de pilotos, que pediu para não ser identificado, denunciou ainda à Lusa que a Everjets deve cerca de um milhão de euros a três empresas que fornecem metade destes helicópteros ligeiros, e que estes fornecedores não vão enviar os meios aéreos até que a dívida referente à campanha de 2016 seja paga.

Confrontada com esta denúncia, em resposta escrita enviada à Lusa, a Everjets, empresa que ganhou esta concessão, disse que "está em vias de regularizar a situação", esperando também pagar até meados de abril aos pilotos, que são contratados individualmente ou através de empresas de prestação de serviços.

"Esta situação deveu-se aos problemas com que a Everjets se debateu ao longo da operação do verão, nomeadamente com os aviões e incumprimento de parceiros. Foi feita uma reestruturação interna e a situação está a ser resolvidos pela administração. Até meados de abril os problemas estarão resolvidos junto de pilotos e fornecedores", garantiu a empresa.

A 10 de março deste ano, o advogado que representa este grupo de pilotos enviou um e-mail, a que a Lusa teve acesso, à Everjets a exigir "o pagamento das retribuições do trabalho em falta, respeitantes aos meses de junho a outubro de 2016", tendo dado um prazo até 31 de março para a empresa o fazer. Mas a Everjets apenas reconhece dívida aos pilotos nos meses de setembro e outubro de 2016.

Em resposta a esta exigência, dada quatro dias depois, o advogado da Everjets indicava que a empresa contava "poder ultrapassar os problemas momentâneos de tesouraria" que atualmente atravessa, até ao final do mês de março, o que possibilitará então a regularização das situações em atraso.

Numa carta enviada aos pilotos a 30 de março, assinada pelo diretor financeiro, mas em nome do presidente Ricardo Dias, a empresa diz lamentar esta situação relativa à "Campanha de Fogos de 2016" e explica que "está numa fase de profunda reestruturação, que lhe vai permitir um equilíbrio a curto prazo e uma sustentabilidade no médio longo prazo, medidas essas com impacto imediato", prometendo pagar "nos próximos dias".

Além de receberem os pagamentos em atraso de 2016, os pilotos afetados exigem garantias por parte da Everjets para voar este ano, acrescentando não haver muitos mais pilotos portugueses com as certificações e qualificações obrigatórias para este tipo de operação.

Contudo, o presidente do Conselho de Administração da Everjets diz que há alternativas.

"Da parte deste grupo de pilotos, os que quiserem trabalhar têm sempre a porta aberta. Vão ser contactados no próximos dias para exames médicos, físicos e psicotécnicos, para fazermos uma campanha melhor do que as outras. Os que não quiserem trabalhar, são livres de ir para outros lados, não tem problema nenhum. O que não faltam são pilotos no mercado", declarou Ricardo Dias.

O responsável da Everjets adiantou que "há muitos pilotos portugueses ainda no mercado" e, caso não existam, "há espanhóis ou brasileiros, com as qualificações necessárias", reiterando que os meios humanos e aéreos estão "completamente garantidos", uma vez que existe um compromisso com o Estado, apesar de o Estado "dever oito milhões de euros" por "incumprimento" do contrato dos helicópteros de combate a incêndio Kamov.

O grupo de pilotos diz que vai estar "alerta e vigilante" quanto às contratações que a Everjets venha a realizar, nomeadamente se as tripulações reúnem todos "os exigentes requisitos" para operarem no combate aos fogos. Estarão igualmente atentos sobre se os helicópteros ligeiros estão equipados "com todos os pré-requisitos" exigidos no contrato.

Ricardo Dias explicou que alguns dos pilotos empenhados na campanha de fogos florestais são dos quadros da empresa, que detém também alguns dos helicópteros ligeiros necessários.

Além das dívidas aos pilotos e aos fornecedores dos helicópteros, a Everjets tinha uma outra com a BP, que fornece o combustível, a qual, segundo a empresa, "já se encontra regularizada, tendo sido paga por estes dias a última parcela".

A Everjets e o Estado assinaram um contrato em 2013, válido até este ano, no valor de quase 40 milhões de euros, para a operação e manutenção destes helicópteros ligeiros, o que leva estes pilotos a questionarem a falta de liquidez da empresa para fazer face aos pagamentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.