Pichagens põem em risco classificação da UNESCO

O presidente do município, Manuel Machado, admitiu colocar videovigilância na Alta de Coimbra e pedir um reforço do trabalho das autoridades para combater este ato de vandalismo

A diretora regional da Cultura do Centro afirmou esta sexta-feira que Coimbra pode perder a classificação como Património Mundial, por causa das pichagens que afetam monumentos e grande parte da zona classificada pela UNESCO.

A agência Lusa noticiou na segunda-feira que as pichagens na Alta de Coimbra - uma das zonas classificadas pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) - já afetam a zona exterior do criptopórtico romano, a Sé Velha e a Igreja de São Salvador, do século XII, estando presentes em toda a zona do Centro Histórico da cidade, quer em monumentos, como o Museu Nacional Machado de Castro, quer nas fachadas de casas particulares.

"De todas as capitais de distrito [da região Centro], Coimbra está a ser vandalizada a um ritmo impressionante, desde os monumentos nacionais - coisa que antes não era feita - até todo o espaço classificado como Património Mundial pela UNESCO", alertou hoje a diretora regional da Cultura do Centro, Celeste Amaro, que abordou o tema no discurso de apresentação do novo portal Cultura Centro, em Coimbra.

Segundo a responsável, "quem vier renovar a classificação [da UNESCO] vai ficar desolado e podemos, até, perder a classificação".

"Isto não pode acontecer. Coimbra tem que dar um exemplo a todos e peço a ajuda de todos", frisou Celeste Amaro, considerando que a preocupação com as pichagens na zona histórica da cidade é "constante"

Para Celeste Amaro, as pichagens que se observam na Alta são "um ato de vandalismo", recordando que a sua prática é punível pelo Código Penal.

"A zona classificada é de todos nós. Temos a responsabilidade de limpar, mas também de manter", defendeu.

Depois de a Câmara de Coimbra ter sido confrontada pela agência Lusa para a situação, procedeu à limpeza de algumas pichagens nas paredes originais da Sé Velha, bem como à pintura da fachada do Museu Nacional Machado de Castro e das paredes brancas da Igreja de São Salvador, onde ainda são visíveis várias pichagens nas portas e na pedra daquele monumento.

Em declarações à Lusa, o presidente do município, Manuel Machado, não descartou a possibilidade de videovigilância na Alta de Coimbra para combater as pichagens e pediu um reforço da atuação das autoridades.

Manuel Machado admitiu que, caso as pichagens perdurem, vai apelar ao Governo para que haja um endurecimento da legislação

A UNESCO atribuiu a classificação de Património Mundial à Universidade de Coimbra, Alta e Sofia, em 2013.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.