PEV sustenta que mais do que "reinvenção" é preciso "vontade política" e meios para mudança

Reação ao discurso de ano novo do Presidente da República

O PEV sustentou hoje que "mais do que criatividade e reinvenção", exigidas pelo Presidente da República, é preciso "vontade política, garantia de meios e ação" para uma mudança estrutural.

"Em matéria de combate às causas que contribuíram para a imensa dimensão e trágicas consequências dos incêndios florestais de 2017 e em matéria de reforço de uma política preventiva para o futuro, mais do que criatividade e reinvenção, é preciso vontade política, garantia de meios e ação, de modo a que a mudança estrutural se dê, de facto", é referido num comunicado do PEV.

Na sua tradicional mensagem de Ano Novo, o Presidente da República defendeu hoje que 2018 terá de ser o "ano da reinvenção" da confiança, advertindo que os portugueses precisam de ter a certeza de que, "nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham".

"Reinvenção da confiança dos portugueses na sua segurança, que é mais do que estabilidade governativa, finanças sãs, crescente emprego, rendimentos. É ter a certeza de que, nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham nem se isentam de responsabilidades", exigiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Sobre este ponto da mensagem, o PEV frisa que "trabalhou incansavelmente para que se tomassem medidas legislativas e orçamentais que viessem a ter repercussão visível na floresta", através da necessidade de estancar as imensas áreas de monocultura do eucalipto, entre outras.

Quanto à advertência de Marcelo Rebelo de Sousa de que os sucessos de Portugal na economia e finanças colocam "fasquias mais altas" no combate à pobreza e aconselham "prudência no futuro", o PEV realça que está "profundamente empenhado nesse objetivo".

Contudo, responsabiliza a União Europeia, considerando que "não pode continuar a constituir uma força de bloqueio a esse desenvolvimento".

O PEV destaca ainda que o Presidente da República reconheceu que as políticas do atual governo "têm dado bons resultados na melhoria das condições de vida das pessoas e no crescimento económico".

"Os Verdes consideram que esse facto só foi possível por se ter quebrado o ciclo da política prosseguida pelo PSD/CDS, profundamente negativo para os portugueses", lê-se na nota do partido ecologista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.