PEV rejeita reestruturação "à custa dos trabalhadores"

O Partido Ecologista Os Verdes reconheceu que a recapitalização pode contribuir para "travar de vez" a privatização da instituição, mas recusou uma reestruturação "feita à custa dos direitos dos trabalhadores"

"O Partido Ecologista Os Verdes considera que a recapitalização da CGD (Caixa Geral de Depósitos) pode criar as condições necessárias para travar de vez as pretensões de privatização total ou parcial desta instituição bancária, tão desejadas pelo PSD e CDS", anunciou esta quinta-feira em nota enviada à comunicação social.

Contudo," a reestruturação não pode ser feita à custa dos direitos dos trabalhadores ou da redução do papel do banco na promoção de desenvolvimento económico do país, nomeadamente através do financiamento das pequenas e médias empresas e das famílias", acrescenta.

"Os Verdes estarão particularmente atentos a que as medidas de reestruturação da CGD e da sua atividade, não venham a ser pautadas por critérios cegos e meramente contabilísticos, que atendam unicamente ao volume de negócios e de clientes, levando assim ao encerramento de balcões e ao desinvestimento nas zonas do interior, menos povoadas e com menor atividade económica", sublinha o partido.

O Partido Ecologista reafirma ainda que o processo da CGD é um exemplo claro da perda progressiva de soberania nacional e que a União Monetária/Bancária contribuiu para debilitar a economia e travar o desenvolvimento do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.