PEV rejeita reestruturação "à custa dos trabalhadores"

O Partido Ecologista Os Verdes reconheceu que a recapitalização pode contribuir para "travar de vez" a privatização da instituição, mas recusou uma reestruturação "feita à custa dos direitos dos trabalhadores"

"O Partido Ecologista Os Verdes considera que a recapitalização da CGD (Caixa Geral de Depósitos) pode criar as condições necessárias para travar de vez as pretensões de privatização total ou parcial desta instituição bancária, tão desejadas pelo PSD e CDS", anunciou esta quinta-feira em nota enviada à comunicação social.

Contudo," a reestruturação não pode ser feita à custa dos direitos dos trabalhadores ou da redução do papel do banco na promoção de desenvolvimento económico do país, nomeadamente através do financiamento das pequenas e médias empresas e das famílias", acrescenta.

"Os Verdes estarão particularmente atentos a que as medidas de reestruturação da CGD e da sua atividade, não venham a ser pautadas por critérios cegos e meramente contabilísticos, que atendam unicamente ao volume de negócios e de clientes, levando assim ao encerramento de balcões e ao desinvestimento nas zonas do interior, menos povoadas e com menor atividade económica", sublinha o partido.

O Partido Ecologista reafirma ainda que o processo da CGD é um exemplo claro da perda progressiva de soberania nacional e que a União Monetária/Bancária contribuiu para debilitar a economia e travar o desenvolvimento do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.