PEV rejeita reestruturação "à custa dos trabalhadores"

O Partido Ecologista Os Verdes reconheceu que a recapitalização pode contribuir para "travar de vez" a privatização da instituição, mas recusou uma reestruturação "feita à custa dos direitos dos trabalhadores"

"O Partido Ecologista Os Verdes considera que a recapitalização da CGD (Caixa Geral de Depósitos) pode criar as condições necessárias para travar de vez as pretensões de privatização total ou parcial desta instituição bancária, tão desejadas pelo PSD e CDS", anunciou esta quinta-feira em nota enviada à comunicação social.

Contudo," a reestruturação não pode ser feita à custa dos direitos dos trabalhadores ou da redução do papel do banco na promoção de desenvolvimento económico do país, nomeadamente através do financiamento das pequenas e médias empresas e das famílias", acrescenta.

"Os Verdes estarão particularmente atentos a que as medidas de reestruturação da CGD e da sua atividade, não venham a ser pautadas por critérios cegos e meramente contabilísticos, que atendam unicamente ao volume de negócios e de clientes, levando assim ao encerramento de balcões e ao desinvestimento nas zonas do interior, menos povoadas e com menor atividade económica", sublinha o partido.

O Partido Ecologista reafirma ainda que o processo da CGD é um exemplo claro da perda progressiva de soberania nacional e que a União Monetária/Bancária contribuiu para debilitar a economia e travar o desenvolvimento do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.