PEV recomenda perfil à medida de Edgar, Marisa e Nóvoa

Dirigente do Partido Ecologista "Os Verdes" criticou as candidaturas de Marcelo Rebelo de Sousa e Maria de Belém

O Conselho Nacional do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) decidiu hoje recomendar o voto num "perfil" de candidato presidencial à medida de Edgar Silva (PCP), Marisa Matias (BE) e Sampaio da Nóvoa.

Após a reunião das cerca de três dezenas de elementos daquele que é o órgão máximo dos ecologistas entre as convenções nacionais, a dirigente Manuela Cunha criticou as candidaturas de Marcelo Rebelo de Sousa e Maria de Belém e afirmou que o nome do membro do Comité Central do PCP foi apoiado "maioritariamente", embora apenas tenha ficado aprovado "um perfil".

"Agora, a título individual, os dirigentes e militantes poderão vir a empenhar-se e assumir o apoio a uma candidatura", esclareceu, sublinhando ser "muito importante que o país trave os candidatos que dão continuidade às políticas rejeitadas nas legislativas" para "impedir a eleição dos que corporizam os grandes interesses económicos e o modelo de sociedade" que foi rejeitado nas urnas.

A membro da comissão executiva do PEV frisou a "importância do papel do Presidente da República" e a necessidade de "dar sequência à vontade de mudança política expressa nas legislativas".

"'Os Verdes' definiram um perfil de qual seria o candidato ideal para defender os valores que queremos ver protagonizados. Um Presidente que defenda a Constituição, sustentada nos valores de Abril, um Estado democrático, a soberania nacional, o Estado social, o combate à pobreza, a valorização do trabalho e do desenvolvimento, a cultura portuguesa e o património e recursos naturais", nomeou, acrescentando os ideais de "paz e cooperação entre os povos".

Para Manuela Cunha, o candidato apoiar deve ter "provas dadas na vida de ter assumido posições, com coerência, e não esteja num dia a dizer uma coisa e noutro a assumir compromissos com outra coisa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.