PEV recomenda perfil à medida de Edgar, Marisa e Nóvoa

Dirigente do Partido Ecologista "Os Verdes" criticou as candidaturas de Marcelo Rebelo de Sousa e Maria de Belém

O Conselho Nacional do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) decidiu hoje recomendar o voto num "perfil" de candidato presidencial à medida de Edgar Silva (PCP), Marisa Matias (BE) e Sampaio da Nóvoa.

Após a reunião das cerca de três dezenas de elementos daquele que é o órgão máximo dos ecologistas entre as convenções nacionais, a dirigente Manuela Cunha criticou as candidaturas de Marcelo Rebelo de Sousa e Maria de Belém e afirmou que o nome do membro do Comité Central do PCP foi apoiado "maioritariamente", embora apenas tenha ficado aprovado "um perfil".

"Agora, a título individual, os dirigentes e militantes poderão vir a empenhar-se e assumir o apoio a uma candidatura", esclareceu, sublinhando ser "muito importante que o país trave os candidatos que dão continuidade às políticas rejeitadas nas legislativas" para "impedir a eleição dos que corporizam os grandes interesses económicos e o modelo de sociedade" que foi rejeitado nas urnas.

A membro da comissão executiva do PEV frisou a "importância do papel do Presidente da República" e a necessidade de "dar sequência à vontade de mudança política expressa nas legislativas".

"'Os Verdes' definiram um perfil de qual seria o candidato ideal para defender os valores que queremos ver protagonizados. Um Presidente que defenda a Constituição, sustentada nos valores de Abril, um Estado democrático, a soberania nacional, o Estado social, o combate à pobreza, a valorização do trabalho e do desenvolvimento, a cultura portuguesa e o património e recursos naturais", nomeou, acrescentando os ideais de "paz e cooperação entre os povos".

Para Manuela Cunha, o candidato apoiar deve ter "provas dadas na vida de ter assumido posições, com coerência, e não esteja num dia a dizer uma coisa e noutro a assumir compromissos com outra coisa".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.