Pescador morre em naufrágio ao largo de Aveiro

Barco de pesca Draco naufragou entre Leixões e Aveiro. Seis tripulantes foram resgatados, um morreu

O tripulante de uma embarcação de pesca morreu esta sexta-feira de madrugada, na sequência de uma paragem cardiorrespiratória, depois do naufrágio do Draco, pelas 4.30, a 30 milhas náuticas (55,6 Km) da costa entre Leixões e Aveiro.

Segundo um comunicado da Marinha, cujo Centro de Coordenação de Busca e Salvamento coordenou a operação de busca e salvamento, seis dos tripulantes foram resgatados pelo navio marcante Wec Van Gogh, que se encontrava a navegar nas proximidades, e um sétimo tripulante foi resgatado pelo helicóptero EH-101 da Força Aérea Portuguesa.

Este tripulante foi transportado para o aeródromo de Ovar, onde veio a ser declarado o óbito.

De acordo com as informações prestadas pela Marinha, o Wec Van Gogh vai aproximar-se das imediações do porto de Leixões onde "os náufragos serão transportados para terra por uma embarcação da estação salva-vidas de Leixões".

Os pescadores naufragados são das localidades da Murtosa, Costa Nova (Ílhavo), Albergaria-a-Velha e Leixões.

A Marinha refere que foi já efetuado aviso à navegação devido ao afundamento da embarcação que ainda poderá constituir um perigo para a navegação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.