Peregrinos elogiam obras de 16 ME em Fátima

As obras de requalificação urbana de Fátima que custaram 16 milhões de euros e que foram inauguradas oficialmente em março são do agrado dos peregrinos, que elogiam a criação de amplas zonas pedonais.

Confrontados pela primeira vez com uma intervenção que procurou também melhorar a circulação automóvel através da criação de um túnel e de quatro rotundas, as pessoas que circulam na Cova de Iria sublinham a melhoria nas condições de segurança.

"Está muito mais agradável. Estamos aqui só há duas horas, mas dá para ver que está muito bom", enalteceu Fernando Sousa, de 64 anos, que veio de Viseu para participar na peregrinação dos dias 12 e 13 de maio, em que se assinala os 96 anos das aparições marianas.

"Ainda não vi o túnel, mas vê-se que tem bom acesso para os parques e para aqueles que vêm de carro. Já cá venho há 34 anos e sei as dificuldades que se passavam antigamente. Está muito melhor", sustentou.

Sónia Oliveira, de 35 anos, vem de Leiria e as obras são uma novidade para esta peregrina que destacou a preocupação com os peões, sobretudo tendo em conta que "estes dias envolvem muita gente, milhões de pessoas que trazem as crianças", frisou.

António de Jesus Lopes, outro peregrino oriundo do concelho de Leiria, não tem dúvidas que a requalificação garante "mais segurança para as crianças", mas também para os peregrinos em geral.

"Para mim, está aqui uma obra bem feita", concluiu.

A exceção à regra nos elogios à intervenção urbana surge pela voz da peregrina Valdineia Oliveira, de 38 anos, que depois da peregrinação a pé desde Salvaterra de Magos, entrou em Fátima, mas chegada a meio da rotunda que atravessa Cova de Iria ainda não encontrara qualquer placa a sinalizar as casas de banho públicas.

"Quando vim aqui da outra vez não havia tanto investimento. Na minha opinião é um exagero. Podiam ter feiro as obras, mas não gastar tanto como fizeram", criticou.

O investimento de 16 milhões procurou, segundo a Câmara de Ourém criar "melhores condições de segurança e melhorias significativas na circulação", tanto para peregrinos como para automobilistas.

Com a intervenção, foi possível criar mais 480 lugares de estacionamento, áreas verdes e nova iluminação, assim como largos passeios dotados de uma ciclovia, "aumentando a segurança dos peregrinos que, até então, circulavam na berma, junto dos automobilistas", destacou a autarquia.

O projeto, financiado por fundos comunitários, insere-se no âmbito do Programa de Ação para a Regeneração Urbana de Fátima, que resultou de uma parceria entre o município de Ourém, o Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, a Sociedade de Reabilitação Urbana de Fátima e a Associação Empresarial Ourém-Fátima.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?