Pentágono assume ao Congresso: não há uso alternativo para as Lajes

Ainda assim, ministro dos Negócios Estrangeiros português diz "manter a esperança" de uma solução para a base açoriana

O Departamento de Defesa dos EUA entregou hoje ao Congresso um relatório que afasta a hipótese de a Base das Lajes receber um centro de informações, que está planeado para Inglaterra, ou qualquer outro uso alternativo, confirmou o Pentágono.

"A Base Aérea de Croughton, no Reino Unido, continua a localização ótima para o Complexo de Análise de Informação Conjunta. Com base em requisitos operacionais, as Lajes não são a localização ideal", disse um porta-voz do Pentágono à agência Lusa.

A mesma fonte garantiu que "dados os requisitos operacionais das missões atuais, neste momento não existem usos alternativos para as Lajes."

O Pentágono ressalvou, no entanto, que "irá continuar a considerar o valor estratégico da presença dos EUA e da NATO nos Açores."

Este relatório, exigido pela lei de Orçamento das Forças, deverá incluir ainda uma avaliação completa das valências da base.

"Compreendemos que a simplificação da nossa presença nas Lajes tem um impacto nas pessoas da Terceira. Estamos a implementar este plano em coordenação próxima como o governo de Portugal e a comunidade dos Açores", concluiu o Pentágono.

Augusto Santos Silva não desarma

O ministro dos Negócios Estrangeiros português disse hoje à Lusa que ainda tem esperança numa solução para a presença dos EUA nas Lajes, apesar de o relatório entregue pelo Pentágono excluir usos alternativos para a base.

Augusto Santos Silva

"Mantemos a esperança de que a importância estratégica das Lajes seja bem compreendida, tendo como consequência que aquela estrutura possa ser plenamente aproveitada, também, pelas Forças Armadas dos EUA, com os fins de defesa e segurança que entender convenientes", disse Augusto Santos Silva à Lusa.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, entrevistado em Nova Iorque, onde participou esta segunda-feira num debate do Conselho de Segurança da ONU, sublinhou que "o processo de decisão norte-americano ainda não está concluído".

"Ainda não está concluído, porque sabemos das diligências havidas no Congresso e da interação entre a administração e o Congresso. Sabemos que os vários pontos dessa interação não estão todos esgotados", disse Augusto Santos Silva.

O chefe da diplomacia portuguesa referia-se às investigações que decorrem no Congresso sobre a manipulação de estudos para justificar a instalação do centro em Inglaterra.

"Não conhecemos ainda a reação do Congresso e, portanto, aguardamos o desenvolvimento normal do processo de decisão interno dos EUA", disse ainda o ministro.

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, disse este mês que a apresentação do referido relatório seria "a última oportunidade" para uma "boa saída" para aquela infraestrutura militar.

A 08 de janeiro de 2015, o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou uma redução de 500 militares na base das Lajes, na ilha Terceira, Açores.

Atualmente, ainda devem estar colocados na base das Lajes quase 400 militares norte-americanos, que até setembro de 2016 serão reduzidos para 165.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.