Pelo menos 30% dos utentes devem ter atividade física avaliada nos centros de saúde

Vão ser criadas entre 10 a 20 unidades de saúde para a prática de exercício físico

Pelo menos 30% dos utentes dos centros de saúde devem ter a sua atividade física enquanto sinal vital avaliada pelos médicos de família até ao fim deste ano.

O diretor do Programa Nacional para a Promoção da Atividade Física, Pedro Teixeira, explicou à agência Lusa que o objetivo é fazer da atividade física um sinal vital, garantindo que esta avaliação, já integrada na aplicação informática dos médicos de família, demora "cerca de 30 segundos".

Trata-se de perceber qual o nível de atividade física dos portugueses através de perguntas simples, como foi dito pelo responsável na sessão comemorativa do Dia Mundial da Saúde.

O Programa de Promoção da Atividade Física pretende ainda que se passe desta avaliação para o aconselhamento breve e desenvolveu já guias para a atividade física que os médicos de família ou outros profissionais dos centros de saúde podem passar aos utentes, incluindo por email ou telemóvel.

Aliás, segundo Romeu Mendes, coordenador da comissão intersetorial para a Promoção da Atividade Física, foram já emitidas 4.500 guias de atividade física pelos cuidados de saúde primários só entre janeiro e fevereiro deste ano.

"Estes são dados antes mesmo de termos feito a divulgação destas guias. Estamos agora a começar a fazer a divulgação junto das administrações regionais de saúde e este número irá crescer", referiu à Lusa.

Este ano e no próximo vão ainda ser desenvolvidos projetos-piloto em centros de saúde para consultas de prescrição da atividade física, uma pretensão que o diretor do Programa já tinha anunciado.

As unidades de saúde ainda não estão selecionadas, mas deverão ser entre 10 a 20, sendo que as consultas serão dadas por uma equipa multidisciplinar em que a "dupla chave" será constituída por um médico com pós-graduação em medicina desportiva e um fisiologista do exercício.

Hoje, foi ainda apresentado o "Plano de Ação Nacional para a Atividade Física" que não é um documento com metas ou ações concretas, mas antes um site "onde os portugueses poderão ficar a conhecer iniciativas, projetos, programas e ações promovidas pelas autoridades governamentais, mas também por municípios, empresas, e organizações da sociedade civil".

O objetivo é tentar que os cidadãos saibam o que existe à disposição perto de sua casa para a prática de atividade física, com o objetivo de "pôr Portugal a mexer".

O objetivo é que "sirva de fonte de inspiração para os vários setores da sociedade desenvolverem programas que visem igualmente promover a atividade física" e para "dinamizar e incentivar a implementação de projetos em áreas menos exploradas como a mobilidade ativa, o local de trabalho, ou os cuidados de saúde", segundo os promotores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.