Marcelo visita concelhos atingidos para que o país "não esqueça"

O Presidente da República informou os jornalistas que planeia deslocar-se mais vezes à região nas próximas semanas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, justificou hoje as diversas visitas aos concelhos da região Centro atingidos em junho pelos incêndios, sublinhando que é preciso que "o Portugal metropolitano não esqueça".

"É diferente acompanhar à distância de acompanhar no terreno", disse Marcelo Rebelo de Sousa, em Alvares, no concelho de Góis, distrito de Coimbra, um dos municípios atingidos pelos fogos que ocorreram em junho, na região Centro, e que afetaram, sobretudo, Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

O Presidente da República falava aos jornalistas na sede dos bombeiros de Alvares, após ter presidido a uma sessão que assinalou a entrega de uma doação, por acionistas do jornal Observador, destinada a apoiar a reflorestação da freguesia, onde os fogos de junho consumiram mais de 80% da floresta.

"Esta iniciativa, tenho a certeza, vai contribuir" para a reconstrução de Alvares e dos municípios da zona mais afetados pelos incêndios, disse na cerimónia, salientando que a sua apresentação pública ocorre "quando a maior parte do país metropolitano está a banhos".

Na sua opinião, "só assim é que se muda a mentalidade do país", com ações que emergem na "sociedade civil", como a do jornal dirigido por José Manuel Fernandes, que também interveio.

"Há gente de carne e osso que quer viver aqui", acrescentou, ao frisar que no projeto de reflorestação, que envolve os promotores locais da futura Zona de Intervenção Florestal (ZIF) de Alvares e investigadores do Instituto Superior de Agronomia (ISA) de Lisboa, "há uma recusa de baixar os braços e deixar de viver" no interior, especialmente nas zonas assoladas pelos fogos.

O antigo presidente da Assembleia da República Jaime Gama também esteve presente na cerimónia, na qualidade de presidente do conselho geral do Observador.

"Desta vez, mais do que as outras, não é possível esquecer", disse depois o Presidente da República aos jornalistas, informando que planeia deslocar-se mais vezes à região nas próximas semanas.

"Tenciono vir periodicamente a esta área, ainda este mês", acrescentou, explicando que a próxima visita irá realizar-se a um concelho diferente.

Mais tarde, já no concelho de Figueiró dos Vinhos, o chefe de Estado assistiu à cerimónia final do XIV Concurso de Pesca Desportiva ao Achigã, na Foz do Alge.

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, no dia 17 de junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos e só foi dado como extinto uma semana depois.

Dez feridos continuam internados em hospitais e um numa unidade de cuidados continuados.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

O fogo chegou ainda aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra e Penela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.