Costa não foi convidado para homenagem da associação de vítimas

"Nestes momentos de dor e sofrimento devemos respeitar aquilo que é a vontade e a forma como cada um quer viver os seus momentos de dor", disse o primeiro-ministro

O primeiro-ministro, António Costa, admitiu hoje que não foi convidado para a homenagem promovida pela Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG), que decorreu esta tarde e onde esteve o Presidente da República.

"Não [fui convidado]", disse António Costa à agência Lusa, à saída da Igreja Matriz de Pedrógão Grande, após a missa de homenagem às vítimas do incêndio de junho de 2017, acrescentando que esse é um tema "sobre o qual não vale a pena especular".

"Nós temos tido muito boa relação com a associação de vítimas, ainda há poucas semanas tive oportunidade de estar com a associação de vítimas. Agora, nestes momentos de dor e sofrimento devemos respeitar aquilo que é a vontade e a forma como cada um quer viver os seus momentos de dor. E esse é o respeito que eu devo a todas as famílias e, em particular, àqueles que perderam os seus entes queridos", argumentou o chefe do Governo.

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande, autarquia a que pertence a aldeia de Figueira, onde a associação liderada por Nádia Piazza está sediada, numa antiga escola primária, disse desconhecer a homenagem, afirmando que também não foi convidado.

"Ninguém me convidou para nada disso, desconhecia", referiu Valdemar Alves.

Instado a comentar a falta de convite, o autarca não se quis alongar em considerações: "O que é que a gente há de fazer? Não vamos complicar mais as coisas do que elas estão. Não nos afeta absolutamente nada, eu tenho de fazer o meu caminho, estar ao lado da população, cada um fica com as ações que entender", observou.

A cerimónia privada de homenagem às vítimas do incêndio que eclodiu em Pedrógão Grande em junho de 2017 inclui o lançamento de 66 balões brancos, um por cada vítima mortal, e uma intervenção do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

"Este evento é privado com admissão por lista de convidados. Sugere-se vestir de branco", assinala a AVIPG, no convite enviado a vítimas e familiares.

De acordo com o programa do evento, a que a Lusa teve acesso, a cerimónia inclui a leitura dos nomes das vítimas mortais, a observação de um minuto de silêncio e a exibição de um vídeo de homenagem.

Segue-se um momento de evocação individual, com "leituras pelos familiares" das vítimas e, antes da largada dos 66 balões brancos, a intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa.

A cerimónia conta com a participação de uma soprano acompanhada por um quarteto de cordas da Orquestra Clássica do Centro.

No Natal passado, Marcelo Rebelo de Sousa foi convidado pela associação para participar no almoço privado que a associação organizou em Pedrógão Grande e passou o dia 25 de dezembro na zona atingida pelo incêndio.

Da lista de convidados não fazia parte o primeiro-ministro.

As chamas que deflagraram em 17 de junho de 2017 no município de Pedrógão Grande, no interior do distrito de Leiria, e que alastraram a concelhos vizinhos, fizeram 66 mortos e 253 feridos, atingiram cerca de meio milhar de casas e quase 50 empresas, e devastaram 53 mil hectares de território, 20 mil hectares dos quais de floresta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?