Presidente da República recebe familiares de vítimas de Pedrógão Grande na terça-feira

Marcelo Rebelo de Sousa vai reunir-se com a Associação de Familiares das Vítimas de Pedrógão Grande

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebe na terça-feira à tarde uma comitiva de familiares das vítimas do incêndio que deflagrou em junho em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

Depois da última reunião dos familiares das vítimas, "o Presidente da República não esperou", disse à agência Lusa Nádia Piazza, uma das promotoras da futura Associação de Familiares das Vítimas de Pedrógão Grande.

"Contactou-nos e agendou" a audiência, que se realiza na terça-feira, às 15:00, disse.

"Não esperava outra coisa do senhor Presidente da República. Tem-se comportado, desde a primeira hora, como um verdadeiro chefe de Estado. Tem dado a cara a todo o momento, tem estado no terreno e conversa com as pessoas", sublinhou.

No Palácio de Belém, a comitiva de seis pessoas vai abordar diversas questões, como "a assunção de responsabilidades" por parte das entidades públicas, a "preocupação sobretudo com os jovens e as crianças" afetados e a necessidade de se criar uma proposta legislativa para garantir uma maior proteção dos familiares de vítimas de catástrofes, explicou Nádia Piazza.

Segundo a promotora da futura associação, os familiares pretendem que se desenvolva um mecanismo para que, face a uma catástrofe, seja criada automaticamente uma associação que represente as vítimas, como acontece em França.

As expectativas para a reunião "são altas", sublinhou.

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto uma semana depois.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

O fogo chegou ainda aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra e Penela.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.