Criada plataforma eletrónica para gerir donativos às vítimas de Pedrogão Grande

Plataforma "Juntos por todos" mostra os apoios recebidos em tempo real

Trabalhadores de uma empresa de Braga desenvolveram uma plataforma eletrónica para gerir os donativos às vítimas do incêndio que, em junho, devastou Pedrógão Grande e mais concelhos, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a F3M afirma que a solução tecnológica, criada por um grupo de 14 voluntários ligados à empresa, fornece também os "indicadores de apoios concedidos", os quais "passam a ser públicos em tempo real".

Disponível através do endereço www.juntosportodos.org, a nova ferramenta, designada "Juntos por todos", vai permitir "o registo e o cruzamento entre necessidades e doações", sublinha.

"A plataforma tem uma área pública que apresenta, em tempo real, o total de apoios concedidos e os donativos angariados", acrescenta a empresa.

Dispondo ainda de uma área reservada "apenas acessível a técnicos envolvidos" no projeto, assegura à União das Misericórdias Portuguesas (UMP) "uma gestão mais eficiente de todos os donativos angariados, nomeadamente monetários, bens e serviços", além de estabelecer "correspondência com as necessidades identificadas no terreno", garantido mais "transparência e rapidez" no processo.

A UMP foi uma das entidades incumbidas de organizar o apoio às vítimas dos fogos que assolaram a região Centro, incluindo mais de um milhão de euros obtidos com o concerto solidário "Juntos por todos", realizado em Lisboa, no dia 27 de junho, na sequência do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, no dia 17, e que se propagou a municípios vizinhos, tendo causado pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos.

Os dados introduzidos na plataforma "são depois cruzados, permitindo uma gestão mais eficiente de necessidades e recursos", segundo a F3M, empresa especializada em tecnologias da informação e comunicação.

Para lidar com o apoio solidário às vítimas dos incêndios na zona de Pedrógão Grande, a UMP criou um "grupo de trabalho de emergência", que está a fazer "o levantamento das necessidades mais prementes da população", em colaboração com as autarquias, Segurança Social e Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Este grupo vai utilizar a nova plataforma para uma "gestão mais eficaz das necessidades e apoios existentes", adianta a empresa.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.