Administração Interna escusa-se a comentar desempenho do SIRESP

Ainda "decorrem vários tipos de averiguações", disse o ministério

O Ministério da Administração Interna (MAI) escusou-se esta sexta-feira a comentar o desempenho da rede de comunicações SIRESP no incêndio que deflagrou em Pedrogão Grande, tendo em conta que "ainda decorrem vários tipos de averiguações".

"Porque ainda decorrem vários tipos de averiguações, o Ministério da Administração Interna não fará qualquer tipo de comentário à prestação da rede SIRESP nas ocorrências dos últimos dias", refere o MAI, numa resposta enviada à agência Lusa.

A resposta surge após vários órgãos de comunicação social avançarem que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) falhou várias horas na altura do incêndio que deflagrou no sábado em Pedrogão Grande, o que terá dificultado a resposta do socorro e combate.

Na segunda-feira, o primeiro-ministro pediu um esclarecimento urgente à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) sobre o funcionamento da rede SIRESP no fogo, mas esta resposta ainda não chegou.

No seguimento do esclarecimento pedido por António Costa à GNR sobre o não encerramento da estrada nacional 236-I, onde morreram várias pessoas encurraladas pelas chamas entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, a corporação fala em "dificuldades nas comunicações (todas)".

Na quarta-feira, o comandante operacional da Proteção Civil no incêndio de Pedrógão Grande, Vaz Pinto, explicou que as falhas de comunicação do sistema SIRESP aconteceram tal como acontecem em qualquer sistema.

"Estamos a falar de uma utilização massiva e, naturalmente, por vezes, temos alguns constrangimentos", disse.

Apesar disso, sublinhou que se tratou de "falhas muito curtas, inferiores a meio (minuto) ou um minuto e não têm tido influência".

Também a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, afirmou, numa entrevista à RTP, que segundo as informações preliminares de que dispõe o SIRESP não falhou totalmente, avançando que às 20.00 de sábado foram mobilizadas duas redes móveis de satélite para assegurar o funcionamento do SIRESP.

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, disse à Lusa que o sistema parou várias vezes, mas referiu desconhecer durante quanto tempo, sendo uma questão que "a fita do tempo do incêndio" vai esclarecer ao mostrar "o tempo das falhas"

Jaime Marta Soares adiantou que durante o combate existiram outras "alternativas de comunicações".

A rede de comunicações de segurança e emergência do Estado já falhou em outras situações, como no temporal de janeiro de 2013, também em Pedrógão Grande, e no incêndio que deflagrou em agosto de 2016 no concelho do Sardoal.

O SIRESP é um sistema de comunicações móveis comum às forças de segurança, emergência médica e proteção civil, sendo os bombeiros, PSP, GNR e INEM as entidades que mais o utilizam, mas pode ser usado por cerca de 50 entidades.

Marcado pela polémica desde o seu início, este sistema de comunicação está implementado em todo o país desde 2013 e é composto por 502 torres de comunicações e duas estações móveis de reforço com sistema de comunicação via satélite que serve um universo 53.500 utilizadores.

O consórcio SIRESP SA resulta de uma parceria público privada, tendo sido renegociado o contrato em 2016. Em 2014 este sistema de comunicações já tinha custado cerca de 270 milhões de euros aos cofres do Estado.

"Ao longo do último ano, a rede foi reforçada e foram feitos imensos trabalhos, foi renovado o contrato do SIRESP com obrigações acrescidas não só de manutenção como também de reforço de rede precisamente para aliviar falhas que vão sendo detetadas nessa rede", afirmou Constança Urbano de Sousa à RTP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.