Governo vai nomear comissão de acompanhamento de saúde mental

A comissão vai integrar psiquiatras, pedopsiquiatras, enfermeiros, psicólogos e técnicos de serviço social

O Governo vai nomear uma comissão de acompanhamento de saúde mental para garantir uma "visão integrada" na resposta às pessoas afetadas pelo incêndio de Pedrógão Grande, informou esta segunda-feira o secretário de Estado adjunto e da Saúde.

A comissão de acompanhamento, liderada pelo presidente do Conselho Nacional de Saúde Mental, António Leuschner, vai ser nomeada na terça-feira e pretende garantir "uma visão integrada" da resposta nesta área da saúde para os familiares das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, que causou pelo menos 64 mortos, anunciou hoje Fernando Araújo.

O membro do executivo sublinhou que há familiares de vítimas, "em vários pontos do país, a serem acompanhados por equipas diferentes", seja de hospitais ou de unidades de cuidados de saúde primários.

A comissão vai permitir avaliar e ter uma "noção clara" da resposta dada "a todos os familiares das vítimas em qualquer ponto do país", podendo ainda ser harmonizada essa resposta, "em termos de abordagem das várias equipas", explanou Fernando Araújo, que falava aos jornalistas após uma reunião na Câmara de Pedrógão Grande com autarcas dos concelhos afetados, familiares de vítimas e várias entidades de saúde locais.

Segundo o secretário de Estado, a comissão vai integrar psiquiatras, pedopsiquiatras, enfermeiros, psicólogos e técnicos de serviço social.

Fernando Araújo realçou que pretende que o incêndio de Pedrógão Grande sirva também para se "montar uma resposta a longo prazo e para o futuro", em caso de calamidades semelhantes.

O objetivo passa por aproveitar a experiência para delinear um plano estratégico a seguir em "catástrofes futuras", acrescentou.

De acordo com o membro do Governo, as reuniões de acompanhamento vão continuar, por forma a garantir "canais de ligação mais fáceis" com as autarquias e com os familiares das vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.