António Costa recebe Pedro Sánchez em Lisboa em julho

O encontro entre os dois líderes acontece a 02 de julho

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, desloca-se a Lisboa a 02 de julho para se reunir com o homólogo português, António Costa, no quadro de uma ronda de contactos com vários líderes europeus.

O gabinete de Pedro Sánchez informou, através de uma nota de imprensa, que a sua ronda europeia começa no sábado, em Paris, onde será recebido pelo Presidente, Emmanuel Macron, e no domingo irá participar na reunião informal sobre a migração e asilo convocada pelo presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker.

Na terça-feira, 26 de junho, estará em Berlim com a chanceler alemã Angela Merkel e depois de estar novamente em Bruxelas, na Cimeira Europeia de 28 e 29 de junho, irá continuar a ronda europeia a 02 de julho, com um encontro em Lisboa com António Costa.

A agência Efe tinha citado "fontes do executivo espanhol" para avançar na quarta-feira que se previa inicialmente que o encontro entre Costa e Sánchez seria a 26 de junho, data que afinal não se confirma.

O primeiro-ministro espanhol pretende, em todos estes encontros, transmitir aos seus parceiros europeus que "Espanha volta a ter na Europa um papel ativo para construir uma União mais forte e solidária".

Pedro Sánchez assegura que irá "trabalhar estreitamente" com os seus parceiros para "liderar" a procura de respostas aos grandes desafios que se colocam à União Europeia, como "os movimentos migratórios, a recuperação e consolidação dos direitos sociais e a melhoria do estado de bem-estar, assim como defender os interesses espanhóis na Europa e alcançar uma maior integração".

Pedro Sánchez e António Costa vão estar juntos pela primeira vez, depois de o primeiro ter tomado posse a 02 de junho último.

Na reunião de Lisboa, os dois chefes de Governo deverão também discutir a realização ainda este ano da próxima cimeira bilateral entre Portugal e Espanha.

Prevê-se que um dos temas em discussão seja a reunião sobre as interconexões energéticas que António Costa anunciou para o primeiro semestre do ano. Esta cimeira deverá contar também com a presença do Presidente francês, Emmanuel Macron, e do presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.