Pedro Marques: Cortes nos fundos comunitários "são uma bomba orçamental"

Ministro responsável pelos fundos comunitários admite que os corte são brutais e garante que o governo se vai bater por alterar o orçamento da União Europeia.

Em entrevista ao Expresso, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas manifesta-se preocupado com o impacto orçamental dos cortes propostos pela Comissão Europeia para o próximo quadro comunitário 2021-2027. Está em causa um corte nos milhões do envelope destinado ao Portugal 2030, os fundos de coesão, mas também na comparticipação de Bruxelas nos investimentos que o país quer fazer na próxima década.

À pergunta "os próximos fundos são uma bomba orçamental?", Pedro Marques não hesitou: "Sim, Vamos batalhar para alterar isso". Em causa estão milhares de milhões em bolsas, estágios, obras públicas, entre outras áreas, que deixarão de ser comparticipadas a 85% como até agora e passam a ser apenas em 70%. O que implica a canalização de maiores recursos do Orçamento de Estado português.

Pedro Marques defende na entrevista que é preciso em Bruxelas passar à discussão sobre os recursos próprios da União, em vez de seguir apenas a via dos cortes no orçamento comunitário por causa do Brexit. O ministro admite que a UE passe a taxar mais os serviços digitais, como o Facebook e o Google. "Se não queremos discutir a quem é que vou tirar para poder dar a outro, teremos de tirar dinheiro às políticas de gestão centralizada - e essa não foi claramente a opção da Comissão".

O ministro admite que os cortes, na ordem dos 6%, são uma matéria "com impacto orçamental muito significativo e é por isso que nos bateremos para que essa situação não seja cega no quadro europeu".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.