Pedro Marques alerta para os perigos da revolução nos transportes

"As transformações que estão a ocorrer na mobilidade são fundamentais para a sociedade no futuro mais próximo, criando muitas oportunidades, mas também riscos", disse hoje o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, na abertura da Lisbon Mobi Summit.

Pedro Marques apontou, desde logo, a digitalização, que "coloca enormes desafios ao mercado de trabalho, às competências da população e conduzirá à transformação dos setores mais tradicionais". Por isso e do ponto de vista político, o ministro frisou que "a reflexão deve ser orientada no sentido do que for melhor para o bem estar da sociedade e para o crescimento e competitividade da economia".

Pegando no exemplo da condução autónoma, Pedro Marques lembrou que se é verdade que trará ganhos em matéria de eficiência e segurança, pode ter efeitos negativos como perda de postos de trabalho, o mesmo acontecendo com os veículos partilhados, que podem afastar pessoas dos transportes públicos coletivos. Ora, defende, "os transportes públicos coletivos vão continuar a ser necessários". Por isso, o governante defende que na discussão da mobilidade do futuro, "é fundamental planear cenários alternativos, sempre num quadro de grande flexibilidade, com soluções complementares e integradas, adaptadas às necessidades de cada um".

Veja o vídeo com a intervenção do ministro

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.