Pedro Machado: "Turismo do Centro cresceu o dobro de Lisboa"

O presidente do Turismo Centro Portugal fala do crescimento do turismo na região

Qual é a capacidade hoteleira da região centro?

Tem cerca de 40 mil camas e estamos com uma taxa de 55% de ocupação de média anual. No ano passado crescemos 14,7% e neste ano continuamos com um crescimento acima dos 10%, mais do que a média nacional. Estamos a crescer o dobro de Lisboa.

Significa que os fogos não afetaram o turismo na região?

É um dado contraditório, porque 2017 é o ano do grande impacto dos incêndios, junho com Pedrógão, outubro no resto da região. Estamos a falar de 44 municípios atingidos, cerca de 90 estabelecimentos afetados direta ou indiretamente [três com perdas totais]. Isso teve um impacto imediato nas reservas, sobretudo dos nacionais. Mas é muito curioso ver como a região reagiu após os incêndios. Em outubro e novembro crescemos 20% ao mês em hóspedes e dormidas. No primeiro trimestre deste ano, a região cresce 16,4% em dormida de estrangeiros e 9,97% de nacionais.

Era já uma tendência?

Sim. Em 2016 crescemos praticamente 10%, em 2017 14,7% e neste momento, que é o nosso pior trimestre, crescemos 11,27%, o que significa que em 2018 teremos números superiores.

Muito turismo solidário?

Claro que houve um espírito de solidariedade, temos testemunhos fantásticos, mas deve-se ao aumento de turistas em Portugal, sobretudo de estrangeiros, e a região centro está numa boa posição. Fica praticamente paredes-meias com o Lisboa e Porto, beneficiando do turismo que entra pelos dois aeroportos. Somos uma região que não está tão massificada como Lisboa e o Algarve e com uma diversidade fantástica de produtos para responder às alternativas do city break. Temos os nossos produtos tradicionais, como o turismo religioso, quer o mariano quer o judaico, e oito selos UNESCO: Tomar, Alcobaça, Batalha Coimbra, as Berlengas e o Geoparque Naturtejo. Temos cidades recreativas como Óbidos e Idanha-a-Nova. Com a vantagem de ter sol, neve, praia, montanha na mesma região, o que permite que sejamos cada vez mais um destino de família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.