Pedro Machado: "Turismo do Centro cresceu o dobro de Lisboa"

O presidente do Turismo Centro Portugal fala do crescimento do turismo na região

Qual é a capacidade hoteleira da região centro?

Tem cerca de 40 mil camas e estamos com uma taxa de 55% de ocupação de média anual. No ano passado crescemos 14,7% e neste ano continuamos com um crescimento acima dos 10%, mais do que a média nacional. Estamos a crescer o dobro de Lisboa.

Significa que os fogos não afetaram o turismo na região?

É um dado contraditório, porque 2017 é o ano do grande impacto dos incêndios, junho com Pedrógão, outubro no resto da região. Estamos a falar de 44 municípios atingidos, cerca de 90 estabelecimentos afetados direta ou indiretamente [três com perdas totais]. Isso teve um impacto imediato nas reservas, sobretudo dos nacionais. Mas é muito curioso ver como a região reagiu após os incêndios. Em outubro e novembro crescemos 20% ao mês em hóspedes e dormidas. No primeiro trimestre deste ano, a região cresce 16,4% em dormida de estrangeiros e 9,97% de nacionais.

Era já uma tendência?

Sim. Em 2016 crescemos praticamente 10%, em 2017 14,7% e neste momento, que é o nosso pior trimestre, crescemos 11,27%, o que significa que em 2018 teremos números superiores.

Muito turismo solidário?

Claro que houve um espírito de solidariedade, temos testemunhos fantásticos, mas deve-se ao aumento de turistas em Portugal, sobretudo de estrangeiros, e a região centro está numa boa posição. Fica praticamente paredes-meias com o Lisboa e Porto, beneficiando do turismo que entra pelos dois aeroportos. Somos uma região que não está tão massificada como Lisboa e o Algarve e com uma diversidade fantástica de produtos para responder às alternativas do city break. Temos os nossos produtos tradicionais, como o turismo religioso, quer o mariano quer o judaico, e oito selos UNESCO: Tomar, Alcobaça, Batalha Coimbra, as Berlengas e o Geoparque Naturtejo. Temos cidades recreativas como Óbidos e Idanha-a-Nova. Com a vantagem de ter sol, neve, praia, montanha na mesma região, o que permite que sejamos cada vez mais um destino de família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.