Pedro Machado: "Turismo do Centro cresceu o dobro de Lisboa"

O presidente do Turismo Centro Portugal fala do crescimento do turismo na região

Qual é a capacidade hoteleira da região centro?

Tem cerca de 40 mil camas e estamos com uma taxa de 55% de ocupação de média anual. No ano passado crescemos 14,7% e neste ano continuamos com um crescimento acima dos 10%, mais do que a média nacional. Estamos a crescer o dobro de Lisboa.

Significa que os fogos não afetaram o turismo na região?

É um dado contraditório, porque 2017 é o ano do grande impacto dos incêndios, junho com Pedrógão, outubro no resto da região. Estamos a falar de 44 municípios atingidos, cerca de 90 estabelecimentos afetados direta ou indiretamente [três com perdas totais]. Isso teve um impacto imediato nas reservas, sobretudo dos nacionais. Mas é muito curioso ver como a região reagiu após os incêndios. Em outubro e novembro crescemos 20% ao mês em hóspedes e dormidas. No primeiro trimestre deste ano, a região cresce 16,4% em dormida de estrangeiros e 9,97% de nacionais.

Era já uma tendência?

Sim. Em 2016 crescemos praticamente 10%, em 2017 14,7% e neste momento, que é o nosso pior trimestre, crescemos 11,27%, o que significa que em 2018 teremos números superiores.

Muito turismo solidário?

Claro que houve um espírito de solidariedade, temos testemunhos fantásticos, mas deve-se ao aumento de turistas em Portugal, sobretudo de estrangeiros, e a região centro está numa boa posição. Fica praticamente paredes-meias com o Lisboa e Porto, beneficiando do turismo que entra pelos dois aeroportos. Somos uma região que não está tão massificada como Lisboa e o Algarve e com uma diversidade fantástica de produtos para responder às alternativas do city break. Temos os nossos produtos tradicionais, como o turismo religioso, quer o mariano quer o judaico, e oito selos UNESCO: Tomar, Alcobaça, Batalha Coimbra, as Berlengas e o Geoparque Naturtejo. Temos cidades recreativas como Óbidos e Idanha-a-Nova. Com a vantagem de ter sol, neve, praia, montanha na mesma região, o que permite que sejamos cada vez mais um destino de família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.