Pedro Machado: "Turismo do Centro cresceu o dobro de Lisboa"

O presidente do Turismo Centro Portugal fala do crescimento do turismo na região

Qual é a capacidade hoteleira da região centro?

Tem cerca de 40 mil camas e estamos com uma taxa de 55% de ocupação de média anual. No ano passado crescemos 14,7% e neste ano continuamos com um crescimento acima dos 10%, mais do que a média nacional. Estamos a crescer o dobro de Lisboa.

Significa que os fogos não afetaram o turismo na região?

É um dado contraditório, porque 2017 é o ano do grande impacto dos incêndios, junho com Pedrógão, outubro no resto da região. Estamos a falar de 44 municípios atingidos, cerca de 90 estabelecimentos afetados direta ou indiretamente [três com perdas totais]. Isso teve um impacto imediato nas reservas, sobretudo dos nacionais. Mas é muito curioso ver como a região reagiu após os incêndios. Em outubro e novembro crescemos 20% ao mês em hóspedes e dormidas. No primeiro trimestre deste ano, a região cresce 16,4% em dormida de estrangeiros e 9,97% de nacionais.

Era já uma tendência?

Sim. Em 2016 crescemos praticamente 10%, em 2017 14,7% e neste momento, que é o nosso pior trimestre, crescemos 11,27%, o que significa que em 2018 teremos números superiores.

Muito turismo solidário?

Claro que houve um espírito de solidariedade, temos testemunhos fantásticos, mas deve-se ao aumento de turistas em Portugal, sobretudo de estrangeiros, e a região centro está numa boa posição. Fica praticamente paredes-meias com o Lisboa e Porto, beneficiando do turismo que entra pelos dois aeroportos. Somos uma região que não está tão massificada como Lisboa e o Algarve e com uma diversidade fantástica de produtos para responder às alternativas do city break. Temos os nossos produtos tradicionais, como o turismo religioso, quer o mariano quer o judaico, e oito selos UNESCO: Tomar, Alcobaça, Batalha Coimbra, as Berlengas e o Geoparque Naturtejo. Temos cidades recreativas como Óbidos e Idanha-a-Nova. Com a vantagem de ter sol, neve, praia, montanha na mesma região, o que permite que sejamos cada vez mais um destino de família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.