Pedro Baltazar: "Se os sócios deixarem, um dia o Sporting vai ser a minha vida"

O dono da Nova Expressão e ex-candidato à presidência do Sporting é um homem de negócios. Não sabe estar parado e acredita que toda a gente tem de ter um plano

Nos sofás à entrada da Bica do Sapato, Pedro Baltazar já está à minha espera. O dia pôs-se bonito e a mesa escolhida para almoçarmos - uma espécie de prolongamento da sua casa, é assim a Bica, para muitos clientes - deixa aproveitar a luz e o Tejo. O administrador da agência de meios Nova Expressão e ex-candidato à presidência do Sporting não perde tempo. É um homem de negócios, um homem com planos - "um homem sem um plano não vai longe", há de repetir durante a conversa. E ele tem muitos. Na comunicação e publicidade (Nova Expressão e Powermedia), na indústria (é acionista da Inapa), em food & beverage (dono da Sunlover), em fundos de investimento (ASK).

Fala depressa, entrelaça assuntos sem perder o ponto - chega sempre à conclusão, mesmo quando é interrompido pelo telefone, que toca meia dúzia de vezes em pouco mais de uma hora, ou por outros clientes da casa, seus amigos, como Alberto da Ponte, com quem partilha sociedade na Sunlover e que almoça numa mesa mais adiante. Acena, desculpa-se por cada interrupção, e continua: "Pertenci sempre à indústria da comunicação, sempre gostei da parte jornalística. Os meus pais compravam jornais e banda desenhada - era uma parte importante da cultura disponível nos anos 1960 e 1970, era o que a classe média procurava - e eu cresci com essa curiosidade." Naturalmente, licenciou--se em Ciências Sociais e Políticas, mas as pós-graduações que se seguiram foram em Gestão - já então tinha um plano e o que aprendeu nas viagens que fez ajudou-o a concretizá-lo.

Leia mais na edição impressa e no epaper do DN

Ler mais

Exclusivos