Peditório da Cáritas rendeu 124 mil euros

Ação de angariação de fundos destina-se a apoiar famílias com carências graves, e que têm aumentado exponencialmente nos últimos meses

O peditório nacional da Cáritas Portuguesa, que se realizou há uma semana e meia em 20 dioceses, permitiu angariar mais de 124 mil euros. Os números são ainda provisórios, tendo em conta que falta contabilizar o dinheiro doado em nove dioceses.

Com este dinheiro, as cáritas diocesanas tentarão responder às carências económicas das milhares de famílias que têm solicitado apoio no pagamento de contas domésticas, na alimentação e medicação. A prioridade continuará a ser dada às famílias com crianças e cujos pais estão desempregados.

Nos últimos meses, a Cáritas tem assistido a um aumento enorme de afluência de pedidos de ajuda. Este crescimento das solicitações tem vindo a registar-se desde 2009 mas assumiu proporções preocupantes nos últimos dois anos. Os dirigentes da Cáritas estão especialmente preocupados com as questões da habitação e com a quantidade de famílias que estão a ser despejadas das suas casas, sem que haja qualquer alternativa.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.