Pedidos de ajuda à AMI estão a aumentar

O presidente da AMI, Fernando Nobre, anunciou hoje, em Ponta Delgada, Açores, que a residência social da instituição nesta cidade abrirá até ao natal, revelando que os pedidos de ajuda estão a aumentar em todo o país.

"As solicitações nos primeiros seis meses deste ano aumentaram cerca de 30 por cento relativamente ao primeiro semestre do ano passado e, em finais de Setembro, já tínhamos tantos atendimentos como todo o ano passado", afirmou Fernando Nobre em declarações aos jornalistas no final de uma audiência com a presidente da Câmara de Ponta Delgada. O presidente da Assistência Médica Internacional considerou que Portugal vive "uma situação de emergência social", sobretudo devido aos acontecimentos a nível económico e no mercado de trabalho.

"Este ano vamos ter todos de nos empenhar e, quando digo todos, é o governo central, os governos regionais e autárquicos, a sociedade civil e os empresários. É um esforço nacional que tem de ser feito, é um desígnio nacional de sermos solidários com aqueles que estão a ser fortemente tocados pela recessão que estamos a viver", frisou. Fernando Nobre afirmou que a residência social da AMI em Ponta Delgada será inaugurada até ao natal, passando a integrar a rede de 12 residências espalhadas por todo o país, sendo a segunda dos Açores, depois de Angra do Heroísmo.

"A residência social, espero eu, terá a última vistoria na quinta-feira. O equipamento está lá, a equipa social está contratada há vários meses e está a trabalhar e o meu desejo profundo é que até ao Natal possamos inaugurar aquela residencial social, de tal modo que ela se ponha a funcionar em pleno a partir de 2 de Janeiro", afirmou Fernando Nobre. Para Berta Cabral, presidente da Câmara de Ponta Delgada, a licença de utilização da residência social "é função e competência" da autarquia, mas também "envolve a delegação de saúde, os serviços de protecção civil, bombeiros e outras entidades".

"Na quinta-feira será feita uma vistoria. No que diz respeito à câmara, tudo faremos para que o que for preciso ultrapassar se ultrapasse rapidamente, mas há outras entidades envolvidas e não podemos falar pelos outros", frisou a autarca. A primeira residência solidária da AMI em Ponta Delgada vai ter sete quartos com casa de banho privativa, refeitório, copa, atendimento social e um espaço onde funcionará a delegação da instituição na ilha de S. Miguel.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.