Pedido de demissão "não tem sentido" e é "exercício de campanha eleitoral"

O responsável pela pasta da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, disse que um ministro tem de estar preparado para ser contestado

O ministro da Saúde considera que o pedido para a sua demissão feito hoje pelo PSD "não tem nenhum sentido" e considerou que o deputado social-democrata estava em pleno "exercício de campanha eleitoral".

Adalberto Campos Fernandes entende que a oposição tem "cavalgado num frenesim populista" e vê o pedido de demissão feito pelo PSD como exercício de campanha eleitoral, apesar de avisar que "o populismo tem limites".

O deputado social-democrata Ricardo Batista Leite pediu hoje a demissão do ministro da Saúde durante um debate no plenário parlamentar, perante o que considera ser "o descalabro" no setor da Saúde.

No final do debate, o ministro Adalberto Campos Fernandes foi questionado pelos jornalistas sobre o facto de os pedidos da sua demissão começarem também já a surgir da parte de profissionais de Saúde.

O ministro respondeu que, "no 'ranking' dos pedidos demissão", de ministros de Saúde dos últimos anos ele é o que terá "menos pedidos de demissão".

"Um ministro não governa para 100 mil pessoas, governa para 10 milhões de pessoas", comentou, acrescentando que um ministro tem de estar preparado para ser contestado.

Segundo os dados do Ministério da Saúde, relativos ao primeiro trimestre deste ano, há mais 7.901 profissionais no SNS do que havia em novembro de 2015

No debate do parlamento sobre a situação da Saúde, agendado a pedido do PCP, o ministro voltou a insistir nos dados sobre o acréscimo de profissionais no Serviço Nacional de Saúde (SNS) desde 2015 até agora.

Segundo os dados que o Ministério da Saúde distribuiu hoje aos jornalistas, relativos ao primeiro trimestre deste ano, há mais 7.901 profissionais no SNS do que havia em novembro de 2015.

Perante as críticas, o ministro Adalberto Campos Fernandes sublinha que "não se consegue recuperar" em dois anos um sistema que foi de tal forma delapidado

De acordo com os dados oficiais, há mais 3.626 médicos, 3.072 enfermeiros, mais 291 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica e mais 912 profissionais das restantes profissões.

Apesar destes dados, as críticas dos vários profissionais têm sido constantes, traçando um cenário de degradação no SNS.

Perante essas críticas, o ministro Adalberto Campos Fernandes sublinha que "não se consegue recuperar" em dois anos um sistema que foi de tal forma delapidado.