Pediatras alertam para "rotura" da Urgência Pediátrica do Hospital de Évora

Há falta de médicos especialistas e verifica-se a desadequação das instalações de serviço, denunciam os pediatras

Os pediatras do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) alertaram hoje para o risco de rotura da Urgência Pediátrica da unidade, devido à falta de médicos especialistas, e para a desadequação das instalações do serviço.

Os alertas dos clínicos constam de uma tomada de posição, datada de sexta-feira e ao qual a agência Lusa teve hoje acesso, enviada para o conselho de administração do HESE, Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, Ordem dos Médicos, Sindicato Independente dos Médicos e Federação Nacional dos Médicos.

O diretor do Serviço de Pediatria do HESE, Hélder Gonçalves, disse hoje à Lusa que também subscreveu o documento na qualidade de médico.

"Dos 22 pediatras que integram o serviço, o documento foi assinado por 21. Só não assinaram todos" porque o pediatra que falta "está de baixa", explicou.

No documento, intitulado "Rotura no Serviço de Urgência de Pediatria do HESE", pode ler-se, os clínicos expressam o seu "descontentamento com as condições de trabalho e de assistência que são atualmente praticadas no Serviço de Urgência Pediátrica" do hospital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.