PCP solidário com Maduro contra "escalada de ingerência" dos EUA na Venezuela

Comunistas alertam para as "gravíssimas consequências" do "plano golpista" contra o povo venezuelano

O PCP associou-se hoje à campanha de solidariedade com a "revolução bolivariana" da Venezuela, liderada por Nicolas Maduro, contra a "escalada de ingerência externa" e "ameaça de novas sanções" pelos Estados Unidos.

O PCP denuncia, em comunicado, "a escalada de ingerência externa e a ameaça de imposição de novas sanções e medidas de autêntica guerra económica", nomeadamente pelos Estados Unidos, contra a Venezuela, e apela "à mais firme condenação" dessas práticas "violadoras do direito internacional".

Os comunistas alertam para as "gravíssimas consequências" do "plano golpista" contra o povo venezuelano, "assim como para os emigrantes portugueses".

O PCP afirma que esta "violenta investida golpista" contra Caracas é uma "contraofensiva lançada pelo imperialismo" para "reverter os avanços e conquistas" -- "democráticas e progressistas" -- conseguidas pelos países da América Latina como a Venezuela.

No comunicado do gabinete de imprensa, o PCP "reafirma a solidariedade com o povo", com o Governo de Nicolas Maduro e as "forças patrióticas, progressistas e revolucionárias".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.