PCP recusa ideia de Rui Rio sobre imposto para pagar a dívida

Jerónimo de Sousa lamentou e criticou a submissão dos que mandam

O líder comunista, Jerónimo de Sousa, refutou hoje a ideia avançada pelo social-democrata e ex-autarca do Porto Rui Rio de criar um imposto para pagar a dívida externa, insistindo na necessidade de renegociar com credores sem submissão.

"A solução não é essa. Mesmo como devedores temos direitos, de reclamar a renegociação da dívida nos seus montantes, prazos e juros. Há o problema de fundo que é o próprio serviço da dívida - vamos ter de pagar oito mil milhões de euros num ano", descreveu Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral do PCP, à margem de um encontro com a Ordem dos Médicos, criticou a atitude daqueles que aceitam, "passivamente, que não é momento para renegociar essa dívida, invocando um argumento inaceitável que é esperemos pelas eleições da Alemanha, França ou Holanda', numa posição de submissão em relação àquilo que é o interesse nacional".

"Devemos afirmarmo-nos como povo e país soberano e não esperar por esses que, afinal, existem - mandantes na União Europeia. Há uns que mandam e uns que obedecem. Nós não aceitamos isso", declarou, lastimando que o país tenha "um 'superavit' de cinco mil milhões de euros que vão para o sorvedouro da dívida".

Rui Rio tinha sugerido na segunda-feira, uma redução do IVA, do IRS e do IRC para, em contrapartida, ser criado um imposto consignado ao pagamento dos juros da dívida pública.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.