PCP questiona número de efetivos aprovados para as Forças Armadas

Comunistas defendem transparência na definição do número de militares e interrogam-se sobre "qual o sentido" do recente memorando das chefias ao Governo.

"É necessário e vantajoso que os portugueses percebam o porquê" de serem necessários 30 mil a 32 mil militares nas Forças Armadas, defendeu esta quinta-feira o PCP.

Num artigo publicado no órgão oficial do partido e assinado por Rui Fernandes, membro do Comité Central, o PCP sublinha que "ninguém sabe realmente por que razão são precisos 28 mil, 30 mil ou 32 mil militares" no ativo e que seria importante que os cidadãos "o percebam não com base numas justificações vagas mas concretas".

Na origem desta posição está o recente memorando dos chefes militares ao Governo após ter sido aprovada a admissão de apenas 200 efetivos para 2018 - que o PCP considera ter o objetivo de ficar "desde já registado que o ónus será do Governo" se surgirem problemas por não terem sido autorizados os 600 requeridos.

Mas "são precisos 600 para resposta às missões primárias" - de defesa militar da República e missões externas - "ou os 600 são para resposta a todas as missões", incluindo as complementares, pergunta o PCP, admitindo que podem mesmo ser necessários os 30 mil a 32 mil legalmente aprovados.

É que "cortar mato por causa dos incêndios não é missão primária, tal como não o é vigiar matas, praias, fazerem de nadadores-salvadores, etc", prossegue o autor, a propósito de os 200 efetivos a admitir este ano nas fileiras só terem sido autorizados por causa das missões ligadas aos incêndios (na sequência das tragédias de 2017).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.