PCP quer ouvir Barroso e Portas por serem "co-responsáveis" pela guerra

Deputados comunistas querem ouvir ex-governantes no Parlamento, alegando novas revelações de "relatório Chilcot"

O Partido Comunista Português entregou hoje um requerimento para ouvir o antigo primeiro-ministro Durão Barroso e o antigo ministro da Defesa Nacional, Paulo Portas, sobre o apoio dado pelo país à intervenção militar no Iraque, nomeadamente com a cimeira das Lages.

Os comunistas querem chamar assim os dois antigos governantes ao Parlamento "para que deem as explicações necessárias e sejam confrontados com as suas responsabilidades, nomeadamente por terem envolvido Portugal naquela guerra de agressão".

De acordo com o PCP, "em Portugal, Durão Barroso e o seu Governo, com a realização da "cimeira da guerra" em território nacional e a cedência da Base das Lajes, foram co-responsáveis pela guerra no Iraque e pelos crimes cometidos contra o povo iraquiano." Acrescentam mesmo que "Durão Barroso e o seu governo afrontaram a letra e o espírito da Constituição da República".

O requerimento é subscrito pelo líder parlamentar do PCP, João Oliveira, que justifica esta audição no Parlamento com as novas "revelações" do "relatório Chilcot", divulgado no Reino Unido, e que, destacam os deputados "é peremptório: 'as informações que indiciavam a existência de armas de destruição maciça no Iraque eram falsas.'" O PCP lembra que no Reino Unido, o primeiro-ministro acabou por pedir desculpa aos britânicos, na sequência deste mesmo relatório.