PCP quer mais votos nas autárquicas para melhor pressionar Governo

Líder comunista encerra festa com caderno de encargos para negociações com socialistas. Objetivo direto para eleições de 1 de outubro é ter "mais candidatos"

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, antecipou este domingo o "objetivo direto" de eleger a 1 de outubro "mais candidatos da CDU" para assim melhor pressionar o Governo socialista na discussão do Orçamento de Estado para 2018, deixando no seu discurso de encerramento da Festa do Avante! o caderno de encargos do PCP para essas negociações com os socialistas.

Segundo o líder comunista, "mais votos na CDU" e "mais força à CDU" será a "garantia" para "dar novos passos e avanços na resposta aos problemas do país, dos trabalhadores e do povo". Jerónimo de Sousa quer "assegurar o aumento geral de salários e o aumento extraordinário do salário mínimo nacional para 600 euros", já "em janeiro de 2018".

O PCP quer também um "aumento mínimo de 10 euros para todas as pensões", alterando a lei para que o crescimento do valor das reformas seja acima da inflação, para além do direito à "reforma por inteiro e sem penalizações" para quem tiver "40 ou mais anos de descontos".

Na política fiscal, as exigências são antigas: desagravar impostos para os baixos rendimentos, reforçar o "mínimo de existência para os mais baixos salários" e tributar "lucros e dividendos do grande capital".

Para o Orçamento do próximo ano, a CDU quer ainda eliminar o corte dos 10% do subsidio de desemprego e prolongar o prazo do subsídio, alargar o abono de família.

Segundo Jerónimo, que deixou 12 parágrafos de reivindicações, é necessário "avançar" com o "investimento público" nos transportes, insistindo no fim das portagens nas ex-Scut.

Controlo público do SIRESP

O líder comunista reconheceu que persistem "vulnerabilidades" no país. Afinal, recordou, o que se conseguiu "não é ainda o que é justo e se impõe, mas são avanços que estão para além do que o Programa do PS e do seu governo admitiam". Para Jerónimo, estas vulnerabilidades ficaram "dramaticamente expostas nos trágicos incêndios florestais que assolaram o país neste verão", apontando neste ponto a necessidade do "controlo público" do SIRESP.

O PCP vai insistir noutras soluções no campo laboral, com Jerónimo de Sousa a apontar o dedo ao Governo socialista: "A convergência que se mantém entre PS, PSD e CDS em matéria de legislação laboral e em opções do domínio económico e financeiro e soberania revelam-no e mostram a realidade contraditória em que nos movemos e em que a luta se desenvolve."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.