PCP quer afastar "quem tem executado políticas de direita"

O deputado comunista Honório Novo afirmou hoje, segunda-feira, que a eventual apresentação de uma moção de censura ao Governo pretenderá afastar "quem tem executado uma política de direita", rejeitando a ideia de que tal favorecerá o PSD.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, garantiu na sexta-feira passada, em entrevista à Antena 1, que os comunistas não apoiarão o Governo socialista.

"Não conte o Partido Socialista e o Governo do PS com qualquer apoio do PCP. A manter-se esta política, nós, em nenhuma circunstância, votaremos a favor da sustentação e do prolongamento desta política e daquele que a executa", disse Jerónimo de Sousa.

Na mesma entrevista, o líder comunista admitiu que o PCP poderá voltar a apresentar uma moção de censura, à semelhança do que ocorreu no ano passado.

"Com aquilo que se perspectiva, em termos de evolução da situação política, económica e social, com certeza que o meu partido, no sítio próprio e com uma discussão colectiva, terá isso presente", afirmou Jerónimo de Sousa, que adiantou que o comité central comunista "neste momento ainda não decidiu nada" nesse sentido.

Em declarações à Lusa, o deputado comunista Honório Novo defendeu hoje que esta posição "não é uma novidade", representando "o enfrentamento de uma política que era má há um ano, e agora tem o apoio do PSD".

O deputado referiu que "a indicação" é a de que será o PCP a apresentar uma moção própria.

Questionado sobre se a realização de eleições antecipadas poderá favorecer a subida do PSD ao poder, Honório Novo recusou.

"Quem está a fazer tudo para que a direita vença é o PS", disse Honório Novo.

O PCP defende uma "mudança de políticas" e pretende afastar "quem tem executado a política de direita, sendo pretensamente de esquerda", numa referência ao PS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).