PCP quer afastar "quem tem executado políticas de direita"

O deputado comunista Honório Novo afirmou hoje, segunda-feira, que a eventual apresentação de uma moção de censura ao Governo pretenderá afastar "quem tem executado uma política de direita", rejeitando a ideia de que tal favorecerá o PSD.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, garantiu na sexta-feira passada, em entrevista à Antena 1, que os comunistas não apoiarão o Governo socialista.

"Não conte o Partido Socialista e o Governo do PS com qualquer apoio do PCP. A manter-se esta política, nós, em nenhuma circunstância, votaremos a favor da sustentação e do prolongamento desta política e daquele que a executa", disse Jerónimo de Sousa.

Na mesma entrevista, o líder comunista admitiu que o PCP poderá voltar a apresentar uma moção de censura, à semelhança do que ocorreu no ano passado.

"Com aquilo que se perspectiva, em termos de evolução da situação política, económica e social, com certeza que o meu partido, no sítio próprio e com uma discussão colectiva, terá isso presente", afirmou Jerónimo de Sousa, que adiantou que o comité central comunista "neste momento ainda não decidiu nada" nesse sentido.

Em declarações à Lusa, o deputado comunista Honório Novo defendeu hoje que esta posição "não é uma novidade", representando "o enfrentamento de uma política que era má há um ano, e agora tem o apoio do PSD".

O deputado referiu que "a indicação" é a de que será o PCP a apresentar uma moção própria.

Questionado sobre se a realização de eleições antecipadas poderá favorecer a subida do PSD ao poder, Honório Novo recusou.

"Quem está a fazer tudo para que a direita vença é o PS", disse Honório Novo.

O PCP defende uma "mudança de políticas" e pretende afastar "quem tem executado a política de direita, sendo pretensamente de esquerda", numa referência ao PS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.