PCP mantém em aberto possibilidade de moção de censura

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, reafirmou hoje, sábado, a possibilidade de os comunistas avançarem com uma moção de censura ao Governo, escusando-se a revelar como votarão a iniciativa do Bloco de Esquerda, a quem apontou "contradições".

"Consideramos que não devemos excluir nenhum instrumento que nos é reconhecido pela lei e pela Constituição para travar o combate à política de direita", afirmou o líder comunista, na apresentação das conclusões da reunião do comité central, que decorre desde sexta-feira na sede do PCP, em Lisboa.

Jerónimo de Sousa acrescentou que os comunistas têm "uma reflexão e uma análise" próprias, "independentemente dos desenvolvimentos que têm acontecido" - referindo-se ao anúncio do BE de que apresentará uma moção de censura a 10 de Março.

Questionado sobre se o PCP poderá apresentar uma moção em simultâneo com a do Bloco, Jerónimo de Sousa não esclareceu: "O que determinará a nossa decisão não é este exercício do Bloco de Esquerda, mas é a própria evolução da situação".

Sobre a iniciativa da bancada bloquista, Jerónimo de Sousa apontou "algumas contradições de há uma semana a esta parte", depois de o líder do Bloco Francisco Louçã ter defendido no passado sábado que uma moção de censura não tinha "qualquer utilidade prática".

"Eu não queria fazer nenhuma suspeição, mas se há uma semana sectores do BE afirmavam que uma moção seria abrir a porta à direita, é caso para perguntar: então, esta moção é para abrir a porta a quem?", disse, escusando-se a clarificar qual será o sentido de voto do PCP à iniciativa do Bloco.

O PCP não quer "decidir sobre anúncios", garantiu Jerónimo de Sousa, afirmando ser necessário "um conhecimento dos conteúdos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.