PCP: excluído autocultivo de canábis para fins terapêuticos

Comunistas querem medicamentos dispensados em farmácias hospitalares e mediante receita especial e como alternativa.

O PCP exclui o autocultivo de canábis para fins terapêuticos nas propostas de alteração que ontem entregou no Parlamento relativamente a projetos de lei do Bloco de Esquerda e do PAN. Para a bancada comunista, nas palavras da deputada Carla Cruz, "o uso medicinal terapêutico de medicamentos e preparações à base de canábis devem sustentar na evidência científica, no estudo rigoroso dos medicamentos e devem obedecer às boas práticas que estão instituídas para o uso destes produtos".

De acordo com Carla Cruz, com a proposta do PCP "fica definitivamente excluído o autocultivo". Em declarações aos jornalistas, a deputada notou que esse cultivo para consumo próprio, mesmo que com uma finalidade terapêutica, não obedece "a qualquer rigor, nem às regras básicas da saúde pública", sendo "necessário o controlo das componentes da toxicidade, que devem ser a génese de um medicamento ou de preparações".

Neste capítulo, o PCP deixa claro na sua proposta que "a prescrição dos medicamentos e preparações à base de canábis é feita obrigatoriamente mediante receita médica especial", num modelo que será aprovado pelo Governo, e "apenas pode ser efetuada se os tratamentos com medicamentos não estiverem a produzir os efeitos pretendidos".

Da receita prescrita "exclusivamente pelos médicos" deve constar a "identificação do utente e do médico, qual o medicamento ou preparação a ser dispensado, assim como a forma farmacêutica, a dosagem, a apresentação, a via e modo de administração, a posologia e o período de administração". Aliás, os comunistas recusam que se faça a prescrição a não ser que os tratamentos com medicamentos não estejam "a produzir os efeitos pretendidos". Como notou a deputada comunista, "as propostas que o PCP apresenta vão no sentido de assegurar que quer os medicamentos, quer as preparações à base de canábis obedecem àquilo que está instituído legalmente".

No "texto de substituição" dos projetos de lei do BE e do PAN - que baixaram em janeiro à comissão de saúde sem votação - sobre o uso de canábis para fins medicinais que o grupo parlamentar do PCP entregou na Comissão Parlamentar da Saúde, há outra alteração apontada por Carla Cruz. Os comunistas querem que estes medicamentos e suas preparações sejam prescritos em "uso hospitalar" e "dispensados apenas por farmácias hospitalares". O PCP antecipa que, no caso da receita "se destinar a menor de idade ou pessoas inabilitada ou interdita, a mesma deve ser concedida apenas a quem detiver e comprovar a tutela legal respetiva".

A proposta comunista prevê que, depois de publicada a lei, o Infarmed divulgue quais são "as preparações atualmente existentes que estão em condições de serem utilizadas". "Prevemos ainda que haja uma articulação entre o Infarmed, o SICAD [Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências] e o laboratório militar na realização desta lei", avançou Carla Cruz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.