PCP: "É possível" nova política "mantendo os compromissos e a palavra"

Jerónimo de Sousa abriu Festa do Avante dizendo que o PCP lutará por nova política "mantendo os compromissos e a palavra dada".

O secretário-geral do PCP afirmou esta sexta-feira que o partido "não regateará nenhum esforço na sua ação e intervenção" para concretizar "uma nova política" alternativa, "patriótica e de esquerda".

Isso será feito "mantendo os compromissos e a palavra dada" com o PS e o BE que permitiu construir uma solução de governo que impediu a direita de continuar a governar, garantiu Jerónimo de Sousa, na intervenção de abertura da 40ª edição da Festa do Avante.

"Certo e seguro é que sem a luta dos trabalhadores e do povo, sem o reforço do PCP, sem a convergência dos democratas e patriotas, mais tempo demorará a concretizar a possibilidade real de uma vida melhor, num país que terá tanto mais futuro quanto mais soberano for e mais for o povo a decidir!", argumentou o líder comunista.

"Se na situação atual há que não voltar atrás e prosseguir a reposição de salários, rendimentos e direitos, nós consideramos ser incontornável a necessidade de uma política alternativa, patriótica e de esquerda, que nos liberte das grilhetas que nos amarram, potencie os nossos recursos, ponha Portugal a produzir, dê valor ao trabalho com direitos, combata o desemprego e a precariedade, defenda o direito à saúde, o acesso ao ensino, proteja socialmente a infância e a velhice", declarou Jerónimo de Sousa.

"Essa necessidade é inseparável da possibilidade. Sim, é possível", sustentou o secretário-geral do PCP.

Perante dezenas de militantes e apoiantes, Jerónimo de Sousa lembrou que os trabalhadores e o povo português estavam na anterior edição da Festa do Avante sob "um ataque em grande escala" do governo PSD/CDS para "arrasar salários, rendimentos e direitos".

Porém, com a vitória da esquerda nas eleições de outubro e porque "o PCP avançou com a possibilidade de uma solução política", foi possível construir uma solução alternativa, disse Jerónimo de Sousa.

"Tínhamos consciência que com um governo do PS e o programa do PS as questões de fundo e os problemas estruturais dificilmente encontrariam as respostas necessárias", assumiu o secretário-geral do PCP, mas "havia duas questões urgentes" a resolver: impedir a continuação da "política de terra queimada" da direita e promover "nova fase da vida política" que permitisse recuperar rendimentos e direitos dos portugueses.

Apesar das medidas "limitadas e insuficientes" para recuperar "os estragos da política de direita dos sucessivos governos", Jerónimo de Sousa mostrou algum otimismo: "Há um elemento de caráter subjetivo que ressurgiu, diríamos assim como que uma janela de esperança e a real possibilidade de nos libertarmos como país e como povo da política de exploração e empobrecimento, das amarras e constrangimentos que nos querem impor, da dependência a que nos querem submeter."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.