PCP avisa que não aceita nova prova dos professores

Deputados debateram a suspensão (que já aconteceu na prática). Comunistas deixaram aviso ao PS: não estão disponíveis para viabilizar outra

O Partido Comunista deixou esta sexta-feira claro que não estará disponível para viabilizar uma nova prova de avaliação dos professores (PACC), depois da extinção do teste que vigorou entre 2013 e 2014, sendo aplicada a mais de 10 mil candidatos a lecionar nas escolas públicas.

"O PCP não se contentará com a revogação desta prova de acesso para que depois se faça outra mais bem feita tecnicamente", disse o deputado comunista Miguel Tiago. "Se existem debilidades na formação dos professores, vamos resolvê-las", acrescentou.

O PS - que introduziu a prova de avaliação na lei em 2007, através da ministra Maria de Lurdes Rodrigues, apesar de nunca a ter aplicado - deixou em aberto a possibilidade de não substituir o teste, contrariando o que estava implícito no seu programa de governo: "Assumimos sem sofismas a necessidade de suspender esta prova e de repensar o modelo de avaliação dos professores, ouvindo a todos", assegurou o deputado João Torres.

O socialista criticou ainda os "mecanismos inconstitucionais" da PACC, esquecendo-se que as inconstitucionalidades apontadas pelo Tribunal Constitucional à avaliação estão relacionadas com o facto de esta não ter sido sujeita a votação pelo Parlamento ainda no último governo socialista. "Em breve terminará uma das maiores geringonças a que os professores foram sujeitos no nosso país", prometeu.

Quem não deixou passar em claro este lapso de memória foi a deputada do PSD, Neuza de Sena, que considerou estarmos perante "um PS encurralado entre PCP e Bloco de Esquerda, esquecendo-se que introduziu esta prova em 2007". A deputada lembrou ainda que os sindicatos tinham considerado a prova "demasiado simples", mas que posteriormente se registaram percentagens significativas de notas negativas.

A extinção da PACC - que já foi suspensa pela anterior equipa da educação, na sequência das inconstitucionalidades apontadas pelo Tribunal Constitucional - deverá ser formalizada na sexta-feira, quando a esquerda aprovar os projetos de lei do PCP e Bloco.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.